for-phone-onlyfor-tablet-portrait-upfor-tablet-landscape-upfor-desktop-upfor-wide-desktop-up

Mortes por coronavírus nos EUA passam de 120 mil, e novos focos surgem

Garçom monta mesa em frente a restaurante em Nova York 22/06/2020 REUTERS/Carlo Allegri

(Reuters) - O número de mortes causadas pelo novo coronavírus já passou de 120 mil nos Estados Unidos, de acordo com uma contagem da Reuters nesta segunda-feira, e os casos novos aumentaram em vários Estados.

Agora, mais norte-americanos morreram de Covid-19 do que lutando na Primeira Guerra Mundial.

Cerca de 800 morreram por dia, em média, no mês de junho, menos do que o pico de 2 mil diários de abril, segundo um contagem de dados sobre mortes de Covid-19 por Estado e por condado.

O total de casos de coronavírus no país supera 2,2 milhões, a cifra mais alta do mundo, seguido pelo do Brasil, que soma mais de um milhão de casos. Na Índia, as infecções aumentam rapidamente.

Depois de semanas de recuo, os casos de coronavírus voltaram a crescer nos EUA. Todos os Estados tomaram providências para reativar as economias, e 12 relataram recordes de aumento de casos na semana passada.

No sábado, mais de 30 mil casos novos foram relatados, o maior total diário desde 1º de maio, de acordo com uma contagem da Reuters.

Entre os Estados com aumentos recordes está Oklahoma, onde o presidente Donald Trump fez um comício em uma arena de Tulsa que não chegou a lotar no sábado e na qual só um alguns poucos espectadores usaram máscaras.

Em comentários que mais tarde sua campanha disse terem sido uma piada, Trump disse que pediu às autoridades para diminuírem os exames de detecção de Covid-19, uma “faca de dois gumes” que leva à descoberta de mais casos.

Especialistas de saúde dizem que a expansão dos exames só explica parte do aumento de casos e que estes são uma ferramenta crucial no combate à disseminação da doença.

for-phone-onlyfor-tablet-portrait-upfor-tablet-landscape-upfor-desktop-upfor-wide-desktop-up