for-phone-onlyfor-tablet-portrait-upfor-tablet-landscape-upfor-desktop-upfor-wide-desktop-up

Biquínis e máscaras: casas noturnas de Bangcoc reabrem com novas regras

Mulheres com máscara e biquini em casa noturna de Bangcoc 01/07/2020 REUTERS/Athit Perawongmetha

BANGCOC (Reuters) - As casas noturnas de Bangcoc reabriram nesta quarta-feira depois de mais de três meses de interdição devido ao coronavírus, com profissionais devidamente caracterizadas com biquínis -- e máscaras.

Bares e casas de massagem integraram a categoria mais recente de atividades que tiveram permissão para reabrir --sob certas condições-- agora que a Tailândia já está há 37 dias sem nenhuma transmissão local do vírus.

A medida significou a volta ao trabalho de centenas de milhares de profissionais da vida noturna que estavam passando apertos para sobreviver.

“Perdi toda a minha renda”, disse Bee, dançarina de 27 anos que atende pelo nome de palco XXX Lounge, no bairro de Patpong.

“Estou contente de poder voltar a fazer um trabalho em que sou boa. Não me importo com a máscara porque é uma das precauções”.

Todos os clientes passam por uma medição de temperatura e precisam informar nome e número de telefone. Dentro, todos têm que se sentar a pelo menos um metro de distância uns dos outros e a dois metros do palco.

A Tailândia realizou uma reabertura escalonada de locais públicos ao longo de várias semanas. As escolas também retomaram as aulas nesta quarta-feira.

Os locais de rinha de galos e briga de peixes continuam fechados.

O coronavírus matou 58 de 3.173 pessoas infectadas, um número relativamente baixo até mesmo em comparação com vizinhos na região -- mas se prevê que a economia tailandesa recuará mais do que qualquer outra do sudeste asiático, já que o número de turistas estrangeiros deve diminuir 80% neste ano.

Por Jiraporn Kuhakan e Matthew Tostevin

for-phone-onlyfor-tablet-portrait-upfor-tablet-landscape-upfor-desktop-upfor-wide-desktop-up