for-phone-onlyfor-tablet-portrait-upfor-tablet-landscape-upfor-desktop-upfor-wide-desktop-up

Colombianos exigem punição severa em caso de estupro de menina indígena

(Reenvia texto publicado na quinta-feira para esclarecer que se trata da etnia embera, e não embora)

BOGOTÁ (Thomson Reuters Foundation) - Colombianos foram às redes sociais para exigir que sete soldados sejam acusados e condenados pelo abuso sexual de uma criança indígena, recebendo as penas máximas previstas, expressando indignação com a possibilidade de a Justiça não acontecer.

Os soldados confessaram “relações sexuais abusivas” com uma menina de 12 anos da etnia embera na semana passada e podem ser condenados a entre 16 e 30 anos de prisão, de acordo com o procurador-geral colombiano, Francisco Barbosa.

Eles já foram acusados formalmente e aguardam julgamento em um tribunal civil.

O caso ilustra o problema violência sexual contra mulheres e meninas indígenas, o que líderes comunitários e grupos de direitos humanos dizem que muitas vezes são ignorados, principalmente se perpetrados por militares.

Grupos indígenas colombianos acusam há muito tempo os grupos ilegais armados e as Forças Armadas de cometerem violações de direitos humanos, especialmente durante a longa guerra civil e das disputas por terra, segundo eles incentivadas por racismo.

Uma petição online exigindo sentenças máximas reuniu mais de 61 mil assinaturas em uma semana.

Líderes militares e o presidente colombiano condenaram o incidente, e os sete soldados e três de seus superiores foram demitidos.

Pelo menos 118 militares foram investigados desde 2016 por suposto envolvimento em casos de abuso sexual contra crianças, 50 deles envolvendo indígenas, segundo o general do Exército colombiano Eduardo Zapateiro.

for-phone-onlyfor-tablet-portrait-upfor-tablet-landscape-upfor-desktop-upfor-wide-desktop-up