for-phone-onlyfor-tablet-portrait-upfor-tablet-landscape-upfor-desktop-upfor-wide-desktop-up

Equipe avançada da OMS vai à China para investigar origem do coronavírus

GENEBRA (Reuters) - Uma equipe avançada da Organização Mundial da Saúde (OMS) partiu para a China para coordenador uma investigação sobre as origens do novo coronavírus responsável pela atual pandemia, disse uma porta-voz nesta sexta-feira.

Vista da cidade de Wuhan 30/03/2020 REUTERS/Aly Song

Acredita-se que o vírus surgiu no final do ano passado em um mercado varejista da cidade chinesa central de Wuhan, que permanece fechado desde então, depois de romper a barreira do reino animal para infectar humanos.

Dois agentes da OMS, especialistas em saúde animal e epidemiologia, trabalharão com cientistas chineses para determinar a abrangência e o itinerário da investigação, disse a porta-voz Margaret Harris, que não quis identificá-los.

“Eles partiram, estão no ar agora, são a equipe avançada que delineará a abrangência”, disse ela em uma coletiva de imprensa.

Isso envolveria negociações em questões como a composição da equipe completa, acrescentou.

“Uma das maiores questões nas quais todos estão interessados, e é claro que é por isso que estamos enviando um especialista em saúde animal, é analisar se ele (vírus) saltou ou não de uma espécie para um humano e de qual espécie saltou”, detalhou.

“Sabemos que ele é muito, muito parecido com o vírus do morcego, mas será que passou por uma espécie intermediária? Esta é uma pergunta que todos precisamos ver respondida”.

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, e seu secretário de Estado, Mike Pompeo, disseram que o coronavírus pode ter se originado em um laboratório de Wuhan, mas não apresentaram nenhum indício disto, e a China nega essa possibilidade com veemência. Cientistas e agências de inteligência dos EUA disseram que ele emergiu na natureza.

“Se houve irregularidade --e podemos nunca saber ao certo--, será muito difícil descobrir”, disse Lawrence Gostin, professor da Escola de Direito de Georgetown de Washington, D.C., à Reuters.

“O mercado de produtos frescos foi fechado imediatamente. Não existe registro, avaliação ou investigação independente de uma possível fonte zoonótica, então será muito duro voltar e montar as peças”.

Por Stephanie Nebehaym, em Genebra, e Michael Shields, em Zurique

for-phone-onlyfor-tablet-portrait-upfor-tablet-landscape-upfor-desktop-upfor-wide-desktop-up