for-phone-onlyfor-tablet-portrait-upfor-tablet-landscape-upfor-desktop-upfor-wide-desktop-up

Biden busca transformar foco da campanha para pandemia conforme Trump se atém aos protestos

WILMINGTON, Estados Unidos (Reuters) - O candidato democrata Joe Biden buscou mudar o foco da corrida presidencial nos Estados Unidos de volta ao coronavírus e ao tratamento da pandemia pelo presidente Donald Trump durante um evento de campanha na quarta-feira sobre a reabertura segura das escolas do país.

Candidato presidencial democrata, Joe Biden, fala sobre reabertura das escolas nos EUA em meio à pandemia da Covid-19 02/09/2020 REUTERS/Kevin Lamarque

A crise de saúde, na qual mais de 184.000 norte-americanos morreram, foi ofuscada nos últimos dias por distúrbios civis em Portland, no Estado do Oregon, e Kenosha, no Wisconsin, onde um policial branco atirou em Jacob Blake, um homem negro, pelas costas na semana passada, desencadeando protestos.

O evento de Biden faz parte do esforço de sua campanha para tornar a eleição de 3 de novembro em parte um referendo sobre a resposta do governo Trump ao surto e ocorre no momento em que milhões de estudantes começam um novo ano letivo virtualmente ou sob condições restritivas.

“Se o presidente Trump e seu governo tivessem feito seu trabalho no início desta crise, as escolas americanas estariam abertas. E elas seriam abertas com segurança”, disse Biden após receber informações de especialistas em saúde em Wilmington, no Delaware.

Biden e seu adversário republicano têm trocado farpas sobre qual candidato pode manter o país seguro. Um acusa o outro de fomentar protestos às vezes violentos contra a injustiça racial e a brutalidade policial que abalaram o país durante meses após a morte em 25 de maio de George Floyd, um homem negro, sob custódia policial em Mineápolis.

Trump, que visitou Kenosha na terça-feira, tem procurado aproveitar o clima volátil em torno dos protestos para seu benefício político, apresentando-se como um presidente da “lei e ordem” que mantém a linha contra o caos.

Uma nova pesquisa Reuters/Ipsos indica que sua abordagem ainda precisa alcançar posição nacional. Pesquisa divulgada na quarta-feira mostrou que a maioria dos norte-americanos não vê o crime como um grande problema enfrentado pelo país e a maioria continua simpática aos protestos antirracismo.

Já 78% dos norte-americanos disseram que continuam “muito” ou “um pouco” preocupados com a pandemia. A pesquisa mostrou que 47% dos eleitores registrados apoiam Biden, em comparação com 40% que disseram que votarão em Trump.

Biden planeja viajar para Kenosha na quinta-feira, onde realizará uma reunião com a comunidade, segundo sua equipe eleitoral.

Em comentários a apoiadores nesta quarta-feira na Carolina do Norte, Trump argumentou que o país está “dando a volta por cima” em relação à pandemia e se ateve ao tema da lei e da ordem.

“Eles são agitadores”, disse Trump sobre os manifestantes. “Eles são perdedores e desordeiros. E então você ouve os democratas, eles nunca dizem nada de ruim sobre eles.”

No início da semana, Biden defendeu que desordeiros e saqueadores sejam processados.

for-phone-onlyfor-tablet-portrait-upfor-tablet-landscape-upfor-desktop-upfor-wide-desktop-up