for-phone-onlyfor-tablet-portrait-upfor-tablet-landscape-upfor-desktop-upfor-wide-desktop-up

Manifestantes de Belarus marcham em Minsk apesar do alerta do governo

(Reuters) - Dezenas de milhares de pessoas marcharam por Minsk no domingo, conclamando o presidente bielorrusso, Alexander Lukashenko, a renunciar, em manifestações em massa que não dão sinais de diminuir quase um mês depois de uma eleição que seus oponentes dizem ter sido fraudada.

Colunas de manifestantes desafiaram um aviso do governo para marchar na frente de soldados e veículos militares. Eles agitaram bandeiras vermelhas e brancas da oposição e gritaram “vá embora!” e “você é um rato!”.

O grupo de direitos humanos Spring-96 disse que pelo menos 70 pessoas foram presas. A agência de notícias russa Interfax informou que várias pessoas ficaram feridas quando a polícia interrompeu um protesto em frente a uma fábrica de tratores estatal.

Imagens de vídeo mostradas pelo meio de comunicação local TUT.BY mostraram mulheres gritando “vergonha” para membros mascarados das forças de segurança que arrastaram pessoas para a detenção.

Lukashenko está no poder desde 1994 e, impulsionado por uma demonstração de apoio da tradicional aliada Rússia, rejeitou os pedidos por novas eleições de Sviatlana Tsikhanouskaya, seu principal oponente, que fugiu para o exílio dois dias após a votação.

As manifestações continuaram ao longo das quatro semanas desde a eleição, aumentando de tamanho nos fins de semana e atraindo dezenas de milhares de pessoas a cada domingo.

for-phone-onlyfor-tablet-portrait-upfor-tablet-landscape-upfor-desktop-upfor-wide-desktop-up