for-phone-onlyfor-tablet-portrait-upfor-tablet-landscape-upfor-desktop-upfor-wide-desktop-up

Mineradores de ouro no Congo vasculham escombros após desabamento

BUKAVU, República Democrática do Congo (Reuters) - Mineradores informais de ouro na República Democrática do Congo vasculharam escombros neste sábado, em busca de mais de 50 colegas que são tidos como mortos após uma mina desabar com a forte chuva.

Centenas de jovens com botas de borracha se juntaram no local do desmoronamento de sexta-feira, com alguns retirando pedras com as mãos da encosta enlameada, mostraram imagens gravadas.

Dúzias de pessoas morrem todos os anos em acidentes em minas artesanais sem regulação no Congo, onde frequentemente mineradores sem os devidos equipamentos procuram ouro.

Alexandre Kamundala, vice-prefeito da cidade próxima de Kamituga, disse que nenhum corpo foi recuperado até agora.

O gabinete do governador da província de South Kivu, Theo Kasi, afirmou que a maioria das vítimas era jovem e expressou condolências às famílias.

Desmoronamentos, deslizamentos e asfixia são riscos comuns que mineradores artesanais correm, raramente usando qualquer equipamento de proteção além de botas de borracha, segundo Sara Geenen, professora-assistente da Universidade da Antuérpia, na Bélgica, que conduziu uma pesquisa com mineradores artesanais de ouro nos arredores de Kamituga.

Um relatório do Banco Mundial, ano passado, estimou o número de mineradores de pequena escala no Congo em 2 milhões de pessoas, muito mais do que os que trabalham em minas industriais de ouro, cobre e cobalto de empresas como Glencore e Barrick Gold.

Reportagem de Crispin Kyalangalilwa e Fiston Mahamba

for-phone-onlyfor-tablet-portrait-upfor-tablet-landscape-upfor-desktop-upfor-wide-desktop-up