for-phone-onlyfor-tablet-portrait-upfor-tablet-landscape-upfor-desktop-upfor-wide-desktop-up

Ocidente faz apelo para que Arábia Saudita liberte ativistas mulheres e processe assassinos de Khashoggi

GENEBRA (Reuters) - Dezenas de países ocidentais expressaram nesta terça-feira sua preocupação com a manutenção de mulheres ativistas em prisões da Arábia Saudita e pediram que os responsáveis pelo assassinato do jornalista Jamal Khashoggi enfrentem a Justiça.

Sessão do Conselho de Direitos Humanos da ONU em Genebra 27/02/2020 REUTERS/Denis Balibouse

Ao menos uma dúzia de proeminentes mulheres ativistas foram presas em 2018 na Arábia Saudita, que suspendeu a proibição de mulheres dirigirem veículos, uma medida que muitas das detidas reivindicavam há tempos. As ativistas foram detidas em meio a uma repressão mais ampla à dissidência.

Falando em nome da União Europeia no Conselho de Direitos Humanos das Nações Unidas, a Alemanha mencionou as “detenções prolongadas de mulheres defensoras dos direitos humanos” na Arábia Saudita, entre elas Loujain al-Hathloul.

Várias das mulheres presas dizem sofrer tortura e agressão sexual na detenção, acusações que autoridades sauditas negam.

“Enfatizamos a necessidade de responsabilização total e de um processo transparente dos envolvidos no assassinato de Jamal Khashoggi”, disse o embaixador alemão, Michael Freiherr von Ungern-Sternberg.

Nações ocidentais também criticaram a maneira como Riad tratou do caso Khashoggi.

Neste mês, um tribunal saudita prendeu oito pessoas por períodos de sete a 20 anos devido ao assassinato do jornalista em 2018 no consulado do país em Istambul.

O julgamento rendeu críticas de um investigador da Organização das Nações Unidas (ONU) e de ativistas de direitos humanos, que disseram que os mentores do crime continuam soltos.

O embaixador da Dinamarca na ONU em Genebra, Morten Jespersen, leu um comunicado conjunto em nome de 29 países --entre eles Austrália, Reino Unido e Canadá-- que pede ao reino para “libertar todos os detidos políticos” e manifesta preocupação com a detenção de “ao menos cinco mulheres ativistas”.

Entre elas estão Al-Hathloul, Nouf Abdelaziz, Samar Badawi, Nassima Al-Sadah, Mohammed Al-Bajadi, e Miyaa Al-Zahrani, disse o Serviço Internacional dos Direitos Humanos (ISHR) em um comunicado.

“A libertação imediata e incondicional das ativistas de direitos das mulheres e defensoras dos direitos humanos seria uma prova de fogo da vontade política do governo saudita para melhorar a situação dos direitos humanos”, disse Salma El Hosseiny, do ISHR.

for-phone-onlyfor-tablet-portrait-upfor-tablet-landscape-upfor-desktop-upfor-wide-desktop-up