for-phone-onlyfor-tablet-portrait-upfor-tablet-landscape-upfor-desktop-upfor-wide-desktop-up

"Alimento é melhor vacina contra o caos", diz agência da ONU que ganhou Nobel da Paz

OSLO/GENEBRA (Reuters) - O Programa Mundial de Alimentos (PMA), a agência das Nações Unidas, recebeu o Prêmio Nobel da Paz nesta sexta-feira por seus esforços para combater a fome e melhorar as condições de paz em áreas afetadas por conflitos.

Pessoas carregam sacos de alimentos do Programa Mundial de Alimentos da ONU em assentamento para refugiados do Sudão do Sul em Uganda 16/06/2017 REUTERS/James Akena

A organização, com sede em Roma, contabiliza ajuda a cerca de 97 milhões de pessoas em aproximadamente 88 países a cada ano, e afirma que uma de nove pessoas de todo o mundo ainda não tem o suficiente para comer.

“A necessidade de solidariedade internacional e cooperação multilateral é mais conspícua do que nunca”, disse Berit Reiss-Andersen, presidente do Comitê Norueguês do Nobel, em uma coletiva de imprensa.

O PMA é uma mola propulsora das iniciativas para evitar o uso da fome como arma de guerra e conflito, e a pandemia de Covid-19, que o PMA diz poder dobrar a fome mundial, o tornou ainda mais relevante, disse.

“A pandemia de coronavírus contribui para uma elevação forte do número de vítimas da fome no mundo”, afirmou o comitê do Nobel.

“Até o dia em que teremos uma vacina, a comida é a melhor vacina contra o caos”, acrescentou.

“Existe uma estimativa dentro do Programa Mundial de Alimentos de que... haverá 265 milhões de famintos dentro de um ano, então é claro que isto também é um clamor para a comunidade internacional não subfinanciar o Programa Mundial de Alimentos.”

O PMA reagiu ao prêmio tuitando seus agradecimentos pelo “reconhecimento do trabalho dos funcionários do PMA, que colocam suas vidas em risco todos os dias para levar comida e assistência a mais de 100 milhões de crianças, mulheres e homens famintos em todo o mundo”.

Em uma entrevista coletiva em Genebra, o porta-voz do PMA, Tomson Phiri, disse aos repórteres: “Para o PMA, neste ano, fomos muito além do cumprimento do dever.”

“Tudo parou após as restrições nacionais e globais que vieram com a Covid-19. O PMA esteve à altura do desafio, conseguimos conectar comunidades. A certa altura, éramos a maior empresa aérea do mundo quando a maioria, se não todas as empresas aéreas comerciais, havia parado.”

Dan Smith, diretor do Instituto Internacional de Pesquisas da Paz de Estocolmo, disse que o Comitê Norueguês do Nobel quis enviar uma mensagem tanto de esperança, quanto de “apoio à cooperação internacional”.

Reportagem adicional de Victoria Klesty e Nora Buli em Oslo, Emma Farge e Stephanie Nebehay em Genebra

for-phone-onlyfor-tablet-portrait-upfor-tablet-landscape-upfor-desktop-upfor-wide-desktop-up