for-phone-onlyfor-tablet-portrait-upfor-tablet-landscape-upfor-desktop-upfor-wide-desktop-up

PERFIL-Pai do "milagre boliviano", Arce devolve o socialismo ao poder

BUENOS AIRES/LA PAZ (Reuters) - O ex-ministro Luis Arce, conhecido por muitos como o pai do “milagre econômico” da Bolívia, conquistou a Presidência do país no primeiro turno, segundo pesquisas que parecem decisivas, levando o socialismo de volta ao poder.

Candidato presidencial socialista boliviano, Luis Arce 18/10/2020 REUTERS/Ueslei Marcelino

Arce, de 57 anos, foi o ministro da Economia por quase 12 anos do governo do ex-presidente e líder do Movimento pelo Socialismo (MAS), Evo Morales.

Com a promessa de reinstalar os grandes planos de industrialização do gás natural e das grandes jazidas de lítio e de diversificar a matriz produtiva do país, a Arce terá a tarefa de retomar a trajetória de crescimento em um momento em que a região é fortemente afetada para a pandemia de coronavírus.

O Banco Mundial estima que a economia da Bolívia, dominada pela agricultura e gás, terá uma contração de cerca de 6% este ano, após mais de três décadas de crescimento.

“Ao longo deste dia estamos recuperando a certeza, muito importante na população, no povo boliviano, de poder desenvolver todo tipo de atividades econômicas, que beneficiem as pequenas, médias e grandes empresas, mas também o setor público”, disse Arce nesta segunda-feira em um pronunciamento a jornalistas.

Nascido em La Paz, o presidente eleito formou-se em economia pela Universidad Mayor de San Andrés (UMSA), principal universidade pública da Bolívia, e posteriormente obteve o título de mestre pela University of Warwick, na Inglaterra.

Durante sua gestão, a Bolívia cresceu a uma taxa anual de 4,6%. Tendo a demanda interna como motor do crescimento econômico, Arce promoveu a nacionalização de empresas estratégicas e o desenvolvimento do investimento público e de políticas redistributivas.

Por outro lado, Arce se colocou contra a produção ilegal de folhas de coca e o tráfico de drogas.

Apesar de ser apoiado por Morales, que está asilado na Argentina, Arce disse que o ex-presidente deve resolver suas pendências com a Justiça antes de considerar uma possível participação no novo governo do MAS.

Morales teve que deixar a Bolívia no ano passado em meio a violentos protestos, depois de ser acusado de fraude nas eleições que ganhou em outubro, quando pretendia estender seu mandato, iniciado em 2006, até 2025. O ex-presidente considera ter sido vítima de um golpe de Estado.

Reportagem de Daniel Ramos em La Paz e Eliana Raszewski em Buenos Aires

for-phone-onlyfor-tablet-portrait-upfor-tablet-landscape-upfor-desktop-upfor-wide-desktop-up