for-phone-onlyfor-tablet-portrait-upfor-tablet-landscape-upfor-desktop-upfor-wide-desktop-up

Novos combates e retórica agressiva tensionam trégua em Nagorno-Karabakh

Vídeo divulgado pelo Ministério da Defesa do Azerbaijão na região de Nagorno-Karabakh 20/10/2020 Defence Ministry of Azerbaijan/Handout via REUTERS

YEREVAN/BAKU (Reuters) - Um cessar-fogo no território montanhoso de Nagorno-Karabakh estava sob grande pressão nesta terça-feira em resultado dos novos combates intensos entre forças armênias étnicas e azeris, que travam suas batalhas mais mortíferas desde os anos 1990.

A trégua acertada no sábado teve pouco impacto no confronto iniciado no dia 27 de setembro, apesar dos temores de que provoque um conflito mais amplo envolvendo Rússia e Turquia.

Em uma entrevista, o presidente armênio, Armen Sarkissian, acusou a Turquia de desestabilizar o sul do Cáucaso com seu apoio robusto ao Azerbaijão, mas disse que não defende uma intervenção militar da Rússia, que tem um pacto de defesa com a Armênia.

“O que estou pregando não é envolver a Rússia e depois, amanhã, o Irã e uma terceira parte, e fazer da Armênia, do Azerbaijão e do Cáucaso outra Síria”, disse ele à televisão France-24.

“O que estou dizendo é que, em vez de falar em envolver a Rússia, temos que falar sobre excluir a Turquia, que tem um papel completamente destruidor aqui.”

Ancara nega as acusações de Armênia, França e Rússia, segundo as quais enviou mercenários dos conflitos na Síria e no Líbano para lutarem em Nagorno-Karabakh, que rompeu com o Azerbaijão quando a União Soviética entrou em colapso.

Várias centenas de pessoas foram mortas desde 27 de setembro em combates envolvendo drones, aviões de guerra, artilharia pesada, tanques e mísseis, provocando o receio de uma crise humanitária e preocupações com a segurança de oleodutos e gasodutos no Azerbaijão.

Reportagem adicional de Margarita Antidze em Tbilisi e Tuvan Gumrukcu em Ancara

for-phone-onlyfor-tablet-portrait-upfor-tablet-landscape-upfor-desktop-upfor-wide-desktop-up