for-phone-onlyfor-tablet-portrait-upfor-tablet-landscape-upfor-desktop-upfor-wide-desktop-up

Potências globais pressionam por fim de conflito em Nagorno-Karabakh

Imagem de vídeo liberado pelo governo do Azerbaijão de um um conflito na região de Nagorno-Karabakh. 20/10/2020. Defence Ministry of Azerbaijan/Handout via REUTERS

YEREVAN/BAKU (Reuters) - O presidente da Armênia foi a Bruxelas para conversar com a União Europeia e a Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) nesta quarta-feira, uma nova tentativa de encerrar os combates mais intensos desde os anos 1990 a respeito do enclave montanhoso de Nagorno-Karabakh.

Como parte de uma iniciativa diplomática mais ampla de grandes potências globais, os ministros das Relações Exteriores da Armênia e do Azerbaijão também voaram a Moscou para conversar com a Rússia, que mediou as tréguas, mas não conseguiu por um fim aos confrontos que mataram centenas no último mês.

Depois os chanceleres irão a Washington para conversas na sexta-feira que incluirão o secretário de Estado norte-americano, Mike Pompeo – o que criou a esperança de um avanço.

Os dois lados relataram novos combates nesta quarta-feira dentro e nos arredores de Nagorno-Karabakh, território separatista situado dentro do Azerbaijão, mas povoado e controlado por armênios étnicos.

O Azerbaijão negou que um de seus aviões militares tenha sido abatido.

O confronto cria o temor de uma guerra mais ampla no sul do Cáucaso que atrairia Rússia e Turquia, aliada do Azerbaijão, e receios com a segurança de oleodutos e gasodutos do Azerbaijão que levam petróleo e gás para mercados de todo o mundo.

for-phone-onlyfor-tablet-portrait-upfor-tablet-landscape-upfor-desktop-upfor-wide-desktop-up