for-phone-onlyfor-tablet-portrait-upfor-tablet-landscape-upfor-desktop-upfor-wide-desktop-up

Maduro cita papa e pede que Congresso da Venezuela avalie casamento homoafetivo

Presidente da Venezuela, Nicolás Maduro 22/06/2020 Palácio Miraflores/Divulgação via REUTERS

CARACAS (Reuters) - O presidente venezuelano, Nicolás Maduro, pediu nesta quinta-feira que a Assembleia Nacional do país debata o casamento entre pessoas do mesmo sexo durante o próximo mandato que começa no início de janeiro, citando comentários do papa Francisco apoiando a união civil homoafetiva.

As declarações do papa divulgadas nesta semana foram o sinal mais claro já utilizado pelo líder da Igreja Católica sobre os direitos das pessoas homossexuais. O casamento gay não é legal atualmente na Venezuela, que é majoritariamente católica, apesar de leis ou de decisões jurídicas em outros países sul-americanos como Argentina, Brasil e Colômbia que permitem a união entre pessoas do mesmo sexo.

“Eu tenho amigos e conhecidos que estão muito felizes com o que o papa disse ontem”, disse Maduro em um evento com líderes de seu Partido Socialista antes das eleições legislativas, marcadas para 6 de dezembro. “Eu vou deixar essa tarefa, a tarefa do casamento LGBT, para a próxima Assembleia Nacional”.

A Assembleia Nacional está atualmente sob controle da oposição venezuelana. A oposição promete boicotar o processo eleitoral, argumentando que Maduro planeja fraudá-lo para favorecer seu partido.

Reportagem de Mayela Armas, em Caracas, e Luc Cohen, em Nova York

for-phone-onlyfor-tablet-portrait-upfor-tablet-landscape-upfor-desktop-upfor-wide-desktop-up