for-phone-onlyfor-tablet-portrait-upfor-tablet-landscape-upfor-desktop-upfor-wide-desktop-up

Republicano McConnell obtém reeleição para Senado dos EUA, mas maioria do partido está em risco

WASHINGTON (Reuters) - O líder da maioria republicana no Senado dos Estados Unidos, Mitch McConnell, garantiu sua reeleição nesta terça-feira, embora a maioria de seu partido na Casa esteja a perigo, uma vez que a legenda defende 12 vagas altamente disputadas, enquanto os democratas estão defendendo em apenas duas corridas.

Líder da maioria republicana no Senado dos Estados Unidos, Mitch McConnell 02/11/2020 REUTERS/Bryan Woolston

Entretanto, os resultados finais de pelo menos cinco disputas podem não sair em dias, e, em alguns casos, meses.

Com a reprovação ao governo do presidente Donald Trump pesando sobre os republicanos em todo o país, eleitores estão decidindo caso encerram ou não as carreiras de senadores republicanos controversos, incluindo o aliado de Trump Lindsey Graham, da Carolina do Sul, e a moderada Susan Collins, do Maine, entre outros.

No total, 12 vagas atualmente detidas pelos republicanos e duas mantidas pelos democratas estão em risco, de acordo com uma análise da Reuters de três previsões não partidárias: Centro de Política da Universidade da Virgínia, Relatório Político Cook e Inside Elections.

McConnell está entre as dezenas de incumbentes de ambos os partidos a serem declarados vencedores antecipados, como já era o esperado. McConnell superou uma desvantagem financeira no Kentucky contra a democrata Amy McGrath, uma ex-piloto da Marinha que arrecadou 40 milhões de dólares a mais que McConnell na campanha, mas não conseguiu superar a inclinação republicana do Estado.

No total, 35 vagas das 100 vagas no Senado norte-americano estão em disputa nesta terça-feira.

“Há brigas de cães em todo o país”, disse McConnell, o principal republicano no Congresso, em uma parada de campanha no início da semana. Ele descreveu a possibilidade de que os Republicanos detivessem a maioria como uma “proposição 50-50”.

As chances parecem otimistas, com base nas três previsões.

Os estudos preveem que os democratas podem sair da eleição com até 55 cadeiras do Senado, o que representaria a conquista da maioria pela primeira vez em uma década tanto no Senado quanto na Câmara dos Deputados.

Os democratas estão esperando conduzir uma nova era política em Washington caso seu candidato presidencial, o ex-vice-presidente Joe Biden, também ganhe.

Embora seja uma maioria menor que a absoluta, de 60 votos, o controle do Senado seria um aliado precioso para a eventual agenda legislativa de Biden ou para ajudar a travar o possível segundo mandato de Trump.

for-phone-onlyfor-tablet-portrait-upfor-tablet-landscape-upfor-desktop-upfor-wide-desktop-up