for-phone-onlyfor-tablet-portrait-upfor-tablet-landscape-upfor-desktop-upfor-wide-desktop-up

Equipe de Trump ataca especialista da Fox News que apontou vitória de Biden no Arizona

04/11/2020 REUTERS/Carlos Barria

(Reuters) - A equipe de campanha do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, atacou nesta quinta-feira o responsável do canal de notícias Fox News pela projeção que deu a vitória eleitoral ao candidato democrata Joe Biden no Estado do Arizona, chamando-o de “democrata eleitor de Clinton e doador de Biden”.

Com o Arizona na coluna de Biden, o democrata teria 264 dos 270 votos do Colégio Eleitoral necessários para chegar à Casa Branca, número que o deixa muito próximo da vitória e estreita o caminho de seu adversário republicano à reeleição.

O website da campanha eleitoral de Trump disse que o diretor da “secretaria de decisões” Arnon Mishkin “garantiu de maneira prematura o Arizona para Joe Biden antes que fossem contadas centenas de milhares de cédulas. Até analistas eleitorais com tendências de esquerda como Nate Silver (da 538) criticaram a decisão, mas Mishkin permanece com sua decisão terrível apesar disso e se recusando a retirar essa decisão sem justificativa”.

O site acrescenta que Mishkin “tem um longo histórico de doação aos democratas, incluindo para a campanha de Obama e Biden de 2008”.

O canal Fox News, controlado pela Fox Corp de Rupert Murdoch, se recusou a comentar. Mishkin não respondeu imediatamente aos pedidos de comentários.

A rede projetou às 23h20 (horário local) de terça-feira que o ex-vice-presidente Biden venceria a disputa no estado crucial do Arizona, no sudoeste do país, em um momento em que Mishkin disse que “cerca de 80 por cento” dos votos já haviam sido contados.

A Associated Press, que se baseia nos mesmos dados de pesquisas da Fox News, fez a mesma projeção três horas depois. Nenhuma das outras grandes redes de televisão até agora projetou um vencedor para o Arizona, dizendo que a diferença era pequena demais para uma definição com tantos votos pendentes para serem contados.

Mishkin disse que Trump teria que obter cerca de 60% dos votos que ainda não foram contados na noite de terça-feira, o que ele não acredita que seja possível. A Associated Press também baseou sua projeção sobre o Arizona na conclusão de que Trump não poderia se recuperar nas cédulas que faltavam para serem contadas. A campanha de Trump argumenta que o presidente pode tirar a diferença.

Reportagem de Helen Coster em Nova York e Lisa Richwine em Los Angeles

for-phone-onlyfor-tablet-portrait-upfor-tablet-landscape-upfor-desktop-upfor-wide-desktop-up