for-phone-onlyfor-tablet-portrait-upfor-tablet-landscape-upfor-desktop-upfor-wide-desktop-up

Bolívia restaura laços com Irã e Venezuela após socialistas retornarem ao poder

Novo presidente da Bolívia, Luis Arce 08/11/2020 Cortesia da Presidência da Bolívia/Divulgação via REUTERS

LA PAZ (Reuters) - O novo presidente da Bolívia, Luis Arce, agiu rapidamente para restaurar os laços com o Irã e a Venezuela, recebendo as credenciais de embaixadores dos dois países nesta quarta-feira, apenas três dias depois que seu partido socialista retomou o poder.

Em um comunicado, o governo boliviano informou desejar “restabelecer as relações diplomáticas prejudicadas pelo governo de-facto anterior” liderado pela presidente interina conservadora, Jeanine Ánez.

Escrevendo no Twitter, Arce disse que estava restaurando as relações bilaterais com a Venezuela “para fortalecer os laços estratégicos para o bem de nossos povos”.

Ele afirmou que o mesmo está sendo feito com o Irã e que “eles são sempre bem-vindos na Bolívia. Continuaremos a fortalecer projetos comuns”.

O ministro das Relações Exteriores do Irã, Javad Zarif, compareceu à cerimônia de posse de Arce, em La Paz, no domingo, como parte de uma viagem às nações latino-americanas de esquerda, que incluiu Venezuela e Cuba.

Venezuela e Irã foram aliados-chave do ex-presidente boliviano e aliado de Arce, Evo Morales, que assumiu o cargo como o primeiro presidente indígena do país em 2006 e renunciou, sob pressão, por causa das disputadas eleições no ano passado.

Na segunda-feira, Morales voltou à Bolívia do exílio na Argentina e foi homenageado, na quarta-feira, em uma cerimônia em Chimore, cidade de sua província natal de Chapare, região central de cultivo de coca.

for-phone-onlyfor-tablet-portrait-upfor-tablet-landscape-upfor-desktop-upfor-wide-desktop-up