for-phone-onlyfor-tablet-portrait-upfor-tablet-landscape-upfor-desktop-upfor-wide-desktop-up

Autoridade mundial de tratamento intensivo desaconselha remdesivir em casos graves de Covid

Ampola de remdesivir 08/04/2020 Ulrich Perrey/Pool via REUTERS

BRUXELAS (Reuters) - O antiviral remdesivir não deveria ser usado como tratamento de rotina para pacientes de Covid-19 em alas de cuidados críticos, disse o chefe de uma das maiores entidades mundiais de médicos de unidades de tratamento intensivo, um duro golpe no remédio desenvolvido pela empresa norte-americana Gilead.

O remdesivir, também conhecido como Veklury, e o esteroide dexametasona são os únicos medicamentos autorizados para se tratar pacientes de Covid-19 no mundo, mas o maior estudo já feito sobre a eficiência do remdesivir, realizado pela Organização Mundial da Saúde (OMS), mostrou no dia 15 de outubro que ele tem pouco ou nenhum impacto, contradizendo testes anteriores.

À luz dos novos dados provisórios do teste Solidariedade da OMS, “o remdesivir agora está classificado como um remédio que não se deveria usar rotineiramente em pacientes de Covid-19”, disse o presidente da Sociedade Europeia de Medicina de Tratamento Intensivo (ESICM), Jozef Kesecioglu, em uma entrevista à Reuters.

Kesecioglu disse que a recomendação será debatida em um estudo científico sobre terapias para Covid que a ESICM está preparando com a Sociedade de Medicina de Cuidados Críticos e que deve ser publicado em janeiro.

A Gilead, que questionou as conclusões da OMS, disse em um comunicado enviado por email: “Estamos confiantes de que os médicos nas linhas de frente reconhecem o benefício clínico do Veklury com base em indícios robustos de diversos estudos aleatórios controlados.”

Reportagem adicional de Matthias Blamont, em Paris, e Emilio Parodi, em Milão

for-phone-onlyfor-tablet-portrait-upfor-tablet-landscape-upfor-desktop-upfor-wide-desktop-up