August 24, 2016 / 6:57 PM / 2 years ago

Turquia envia tanques à Síria e expulsa Estado Islâmico de cidade fronteiriça vital

Fumaça em cidade síria de Jarablus em imagem tomada da turca Karkamis. 24/8/2016. REUTERS/Umit Bektas

KARKAMIS, Turquia/ANCARA (Reuters) - Rebeldes da Síria, apoiados por forças especiais, tanques e aviões de guerra da Turquia, entraram em um dos últimos bastiões do Estado Islâmico na fronteira turco-síria nesta quarta-feira, a primeira grande incursão turca apoiada pelos Estados Unidos em seu vizinho do sul.

Uma coluna de pelo menos nove tanques turcos cruzou para a Síria com o grupo de rebeldes majoritariamente árabes e turcos para expulsar o Estado Islâmico de Jarablus e de vilarejos nos arredores. Um repórter da Reuters na fronteira testemunhou bombardeios intensos e viu cortinas de fumaça negra emergindo ao redor da cidade.

O presidente da Turquia, Tayyip Erdogan, disse que a operação teve por alvo tanto o Estado Islâmico quanto a milícia curda Partido de União Democrática (PYD), cujos avanços no norte sírio vêm alarmando seu governo. Ancara vê o PYD como uma extensão da insurgência de militantes curdos que combate em seu próprio solo, o que cria um conflito com Washington, para quem o grupo é um aliado em sua luta contra o Estado Islâmico.

“Esta manhã, às 4h (do horário local), teve início uma operação no norte da Síria contra grupos terroristas que ameaçam nosso país constantemente, como o Daesh (Estado Islâmico) e o PYD”, disse Erdogan em um discurso feito em Ancara.

O vice-presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, que chegou à Turquia em uma viagem pré-planejada horas antes do começo da operação, tentou apaziguar os temores turcos a respeito de ganhos territoriais dos curdos na Síria. A Turquia é uma aliada essencial da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan), e suas Forças Armadas são as segundas maiores da entidade.

Biden disse que Washington deixou claro para os milicianos curdos que deveriam retornar para o leste do rio Eufrates – uma linha vermelha para Ancara – depois de terem ajudado a tomar a cidade de Manbij, ao sul de Jarablus, do Estado Islâmico neste mês.

“Eles devem voltar pelo rio. Não podem, não terão, em nenhuma circunstância receberão apoio norte-americano se não mantiverem esse compromisso. Ponto final”, disse ele em uma coletiva de imprensa em Ancara com o primeiro-ministro turco, Binali Yildirim.

A ofensiva, batizada de “Escudo do Eufrates”, é a primeira grande operação militar da Turquia desde que um golpe de Estado fracassado em 15 de julho abalou a confiança em sua capacidade de intensificar a luta contra o Estado Islâmico, e ocorre quatro dias depois de um jovem suicida suspeito de ter laços com o grupo radical matar 54 pessoas se explodindo em um casamento em Gaziantep, cidade do sudeste turco.

    (Reportagem adicional de Orhan Coskun e Ercan Gurses em Ancara; Ayla Jean Yackley, Asli Kandemir, David Dolan, Osman Orsal, Daren Butler e Cagan Uslu em Istambul; Tom Perry e Suleiman Al-Khalidi em Beirute)

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below