29 de Agosto de 2017 / às 17:25 / 4 meses atrás

Macron estabelece combate ao "terrorismo islâmico" como principal meta de política externa

PARIS (Reuters) - O presidente francês Emmanuel Macron afirmou na terça-feira que garantir a segurança nacional estaria no centro da atividade diplomática francesa e estabeleceu erradicar o “terrorismo islâmico” como a principal meta de sua política externa.

Presidente francês, Emmanuel Macron, discursa durante encontro com embaixadores no Palácio do Eliseu, em Paris 29/08/2017 REUTERS/Yoan Valat/Pool

Seguindo uma política baseada largamente em interesses ideológicos, a França tem sido rápida nos últimos anos em intervir militarmente em conflitos tais como os da Líbia, Mali e República Centro-Africana.

Em seu primeiro discurso anual aos 170 embaixadores da França, Macron confirmou uma mudança já notável - prometendo focar em iniciativas que pudessem trazer resultados concretos, tais como intermediar negociações de paz na Líbia e liderar esforços para enfrentar a crise de imigração da Europa.

“Eu quero que a França proponha soluções e iniciativas quando surgirem novas crises”, disse ele. “O combate contra o terrorismo islâmico é a prioridade da política externa francesa. A segurança da França é o principal objetivo de nossa diplomacia.”

As intervenções francesas na África e no Oriente Médio expuseram o país à ataques por militantes islâmicos.

Homens armados e homens-bomba mataram 130 pessoas dentro e ao redor de Paris em novembro de 2015 e mais de 100 pessoas foram mortas em outros ataques islâmicos na França nos últimos dois anos e meio.

Desde que assumiu o cargo em maio, Macron buscou melhorar os laços com a Rússia após dificuldades entre Moscou e Paris sob a última administração. Ele também tentou manter vivo o diálogo com o presidente norte-americano Donald Trump, cuja liderança pouco ortodoxa irritou alguns de seus aliados mais próximos.

Isso alinhou amplamente a política externa de Macron com as prioridades norte-americanas de atacar o terrorismo, enquanto abre uma janela de diálogo com a Rússia em temas como a Síria e a Ucrânia.

Macron afirmou querer transparência total por parte de Estados do Golfo Árabe sobre redes de financiamento do terrorismo. Ele alertou, porém, em mensagem velada à Trump, que tomar lados em meio às tensões entre a Arábia Saudita, conduzida por sunitas, e o rival xiita Irã poderia ter consequências devastadoras para a região.

“Nós não deveríamos escolher um lado ou outro. Outras grandes potências o fizeram”, disse Macron.

Ele repetiu sua opinião de que não há alternativa para o “bom” acordo de 2015 entre o Irã e um grupo de potências mundiais que visa frear o programa nuclear iraniano, o qual os Estados Unidos estão revisando.

“No contexto que estamos vivendo, o acordo de 2015 é o que nos permite estabelecer um diálogo construtivo e exigente com o Irã”, disse.

Reportagem adicional de Michel Rose

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below