3 de Setembro de 2017 / às 13:21 / em 3 meses

Coreia do Norte anuncia que realizou teste "perfeito" com bomba de hidrogênio

SEUL (Reuters) - A Coreia do Norte realizou seu sexto e mais potente teste nuclear neste domingo, e o país afirmou se tratar de uma bomba de hidrogênio avançada para um míssil de longo alcance, marcando uma dramática escalada da disputa do regime norte-coreano com os Estados Unidos e seus aliados.

O anúncio de Pyongyang veio poucas horas depois de agências sísmicas internacionais detectarem um terremoto provocado por uma ação humana perto do local onde a Coreia do Norte realiza seus testes. Autoridades japonesas e sul-coreanas afirmaram que o abalo foi cerca de 10 vezes mais forte do que o tremor registrado no último teste nuclear da Coreia do Norte há um ano.

Não houve confirmação independente de que a detonação, que gerou condenação internacional, foi de uma bomba de hidrogênio, mas o chefe de gabinete do Japão, Yoshihide Suga, disse que Tóquio não pode descartar a possibilidade de ter sido uma bomba de hidrogênio.

O teste é um desafio direto ao presidente dos EUA, Donald Trump, que horas antes havia falado por telefone com o primeiro-ministro japonês, Shinzo Abe, sobre a “escalada” da crise nuclear na região e que anteriormente havia prometido impedir a Coreia do Norte de desenvolver armas nucleares que pudessem ameaçar os Estados Unidos.

A Coreia do Norte, que desenvolve seus programas nuclear e de mísseis em desafio a resoluções e sanções impostas pelo Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas (ONU), disse em anúncio feito na TV estatal que o teste com bomba de hidrogênio ordenado pelo líder Kim Jong Un foi um “sucesso perfeito”.

A bomba foi desenhada para ser montada no recentemente desenvolvido míssil balístico intercontinental do país, disse a Coreia do Norte.

O diretor-geral da Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA), ligada à ONU, Yukiya Amano, disse que o teste foi “um ato extremamente lamentável” que está “em completo desacordo com as repetidas demandas da comunidade internacional”.

O presidente da França, Emmanuel Macron, disse que a comunidade internacional tem de reagir firmemente a esta “nova provocação” e o presidente da Coreia do Sul, Moo Jae-in, disse que Seul pressionará por medidas firmes para isolar ainda mais a Coreia do Norte, incluindo novas sanções da ONU.

O Japão levantou a perspectiva de novas sanções, afirmando que restrições ao comércio de petróleo norte-coreano estão sobre a mesa.

A China, única grande aliada da Coreia do Norte, disse que condena fortemente o teste nuclear e fez um apelo para que Pyongyang pare suas ações “erradas”. Os Estados Unidos pediram repetidas vezes que Pequim faça mais para conter a Coreia do Norte.

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below