26 de Setembro de 2017 / às 19:47 / em 3 meses

Trump pede que NFL proíba jogadores de se ajoelharem durante hino dos EUA

(Reuters) - O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, intensificou sua luta com a Liga Nacional de Futebol Americano (NFL, na sigla em inglês) nesta terça-feira, pedindo que a entidade proíba os jogadores de se ajoelharem em protesto durante a execução do hino nacional antes dos jogos.

Jogadores do Cleveland Browns durante execução do hino nacional dos EUA antes de partida de futebol americano contra o Indianapolis Colts 24/09/2017 Thomas J. Russo-USA TODAY Sports

“A NFL tem todo tipo de regra e regulamentação. A única saída para eles é estabelecer uma regra dizendo que não se pode ajoelhar durante nosso hino nacional!”, tuitou Trump.

Foi o quinto dia seguido em que o presidente criticou o gesto simbólico, adotado por alguns jogadores negros no ano passado para protestar contra as disparidades raciais no sistema de Justiça criminal.

Um porta-voz da NFL não respondeu a pedidos de comentário.

Trump elogiou dois times que jogaram na noite de segunda-feira e praticamente mantiveram distância da polêmica. Os atletas do Arizona Cardinals uniram os braços e ficaram de pé durante a execução de “Star-Spangled Banner”, assim como os do Dallas Cowboys, que se ajoelharam antes do hino.

Na sexta-feira, Trump disse em um evento político que qualquer jogador manifestante é um “filho da puta” que deveria ser demitido, e pediu por um boicote a jogos da NFL, desencadeando protestos de dezenas de jogadores, técnicos e alguns donos de times antes dos jogos da liga no domingo.

Jogadores da NFL começaram a se ajoelhar durante o hino no ano passado, quando o então quarterback do San Francisco 49ers Colin Kaepernick se recusou a ficar de pé em protesto pelas mortes de negros por policiais brancos nos EUA.

O ataque verbal de Trump pode agradar sua base conservadora no momento em que o presidente republicano se vê às voltas com as ameaças nucleares da Coreia do Norte, uma crise humanitária em Porto Rico após a passagem do furacão Maria, uma investigação sobre a suposta interferência da Rússia na eleição de 2016 e uma batalha para aprovar um reforma de saúde no Congresso.

Paul Ryan, o republicano que preside a Câmara dos Deputados dos EUA, disse que também desaprova o gesto.

“As pessoas estão claramente dentro de seu direito de se expressarem como bem quiserem”, disse ele aos repórteres. “Minha própria opinião é que não deveríamos fazê-lo no hino nacional.”

O secretário de Justiça norte-americano, Jeff Sessions, disse a uma plateia na Escola de Direito de Georgetown, em Washington, que os atletas engajados estão errados.

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below