August 22, 2018 / 12:00 PM / 3 months ago

Último aliado africano de Taiwan diz à China que não trocará de lado

PEQUIM/MBABANE (Reuters) - O último aliado diplomático de Taiwan na África, o reino de eSwatini, disse nesta quarta-feira que não pretende se aliar à China depois que um diplomata chinês disse esperar que o país rompa com Taipé em breve devido a uma disputa diplomática acirrada.

Presidente de Twain, Tsai Ing-wen 14/08/2018 REUTERS/Jorge Adorno

Atualmente Taiwan, que a China reivindica por considerar uma província rebelde sem direito a ter relações com outros Estados, tem laços formais só com 17 países, quase todos nações pequenas e menos desenvolvidas na América Central e no Pacífico, como Belize e Nauru.

Taiwan perdeu seu aliado mais recente, El Salvador, na terça-feira — o terceiro país a se curvar à China neste ano. A presidente taiwanesa, Tsai Ing-wen, prometeu enfrentar o comportamento chinês “cada vez mais fora de controle” depois desta decisão.

Antecipando-se a uma cúpula do mês que vem com líderes africanos em Pequim, a China vem aumentando a pressão para o último aliado de Taiwan no continente, eSwatini, antes conhecido como Suazilândia, debandar para seu lado, disseram fontes diplomáticas.

Falando aos repórteres em Pequim sobre a cúpula, o ministro-assistente de Relações Exteriores da China, Chen Xiaodong, disse que eSwatini não tem relações com seu país “por razões que todos conhecem”.

“Torcemos e esperamos que todas as nações africanas, sem nenhuma exceção, possam participar de uma cooperação China-África positiva e se tornar um membro da maior reunião familiar de todas”, Chen.

“Acredito que este não é somente um objetivo da China, é também uma expectativa amplamente compartilhada por todas as nações africanas. Acredito que esta meta pode, no futuro não muito distante, ser conquistada”, acrescentou, sem dar detalhes.

Mas o chanceler de eSwatini, Mgwagwa Gamedze, disse à Reuters de Taiwan, que está visitando, que seu país não tem interesse em forjar relações com a China.

“Eles não devem tentar nos manipular porque nosso relacionamento com Taiwan tem mais de 50 anos e não iremos descartá-los”, afirmou Mgwagwa.

“Não temos desejo de trocar de lado, já que Taiwan tem sido boa conosco”.

O ministro disse que sua viagem a Taiwan é um sinal de que o reino permanecerá ao lado do aliado e que não sacrificará seu relacionamento por nada.

(Reportagem adicional de Michael Martina, em Pequim, e Yimou Lee e Jess Macy Yu, em Taipé)

((Tradução Redação Rio de Janeiro; 55 21 2223-7128))

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below