August 24, 2018 / 2:19 PM / in 25 days

Médico contrai Ebola no leste do Congo em cenário "temido", diz OMS

GENEBRA (Reuters) - Um médico se tornou o primeiro caso provável de Ebola em uma das “zonas de grande insegurança” do leste da República Democrática do Congo assoladas pela violência de milícias e de difícil acesso, um cenário “que todos nós temíamos”, disse a Organização Mundial da Saúde (OMS) nesta sexta-feira.

Agente de saúde congolês aplica vacina em menino que teve contato com vírus Ebola em Mangina 18/08/2018 REUTERS/Olivia Acland

Desde a irrupção da epidemia, em 1º de agosto, 103 casos confirmados e prováveis de Ebola foram identificados nas províncias de Kivu do Norte e Ituri, entre elas 63 mortes, informou o Ministério da Saúde em uma atualização divulgada de madrugada.

O médico, que mora na cidade de Oicha, em Kivu do Norte, voltou a ser hospitalizado com sintomas do Ebola depois que sua mulher se tornou um caso confirmado da doença ao viajar para a cidade vizinha de Beni, disse Peter Salama, chefe de operações de emergência da OMS.

Oicha está quase toda cercada por milícias islâmicas ugandenses, e existem “preocupações extremamente sérias com a segurança”, disse ele, acrescentando que agentes humanitários, padres e autoridades do governo são reféns na área.

O primeiro exame do médico para detectar Ebola —que causa vômito, febre e diarreia— foi negativo, mas os novos resultados ainda são esperados, explicou Salama à Reuters.

Até agora 97 dos contatos do médico que podem ter sido expostos ao vírus foram identificados, e a vacinação já começou na cidade, disse.

“Então, realmente pela primeira vez, temos um caso confirmado e contatos em uma área de grande insegurança. Realmente é o problema que estávamos prevendo e ao mesmo tempo o problema que estávamos temendo”, disse Salama em uma coletiva de imprensa.

A OMS e especialistas de saúde chegaram a Oicha com uma escolta armada de tropas da Monusco nesta semana, disse, e acrescentou: “Sabemos desse incidente em Oicha agora e teremos que operar em alguns ambientes muito complexos devido às preocupações com a segurança e o acesso”.     

Em outro desdobramento preocupante, jovens revoltados incendiaram um centro de saúde em outro vilarejo, onde vacinações ocorriam, depois de saberem a respeito de uma morte causada pelo Ebola, relatou Salama.

Mais de 2.900 pessoas foram vacinadas contra a doença desde o início do surto, afirmou.

“Estamos em um momento realmente crucial desta epidemia em termos da evolução da epidemia epidemiologicamente e em termos da resposta”.

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below