September 22, 2018 / 2:50 PM / 24 days ago

EUA concedem prazo maior à professora que denunciou indicado à suprema corte

WASHINGTON (Reuters) - O presidente do Comitê Judiciário do Senado dos Estados Unidos, o republicano Chuck Grassley, concedeu uma prorrogação do prazo para a mulher que acusa o deputado Brett Kavanaugh, indicado para a Suprema Corte, de abuso sexual, para que ela possa decidir se e como ela vai depor, disse o republicano no Twitter.

O Comitê Judiciário do Senado havia adiado a votação da confirmação de Kavanaugh depois que as alegações da professora Christine Blasey Ford na Califórnia surgiram na semana passada, e os advogados dela e funcionários da comissão estavam negociando as condições de seu depoimento.

“Juiz Kavanaugh, acabei de conceder outra prorrogação para a Dra. Ford decidir se ela quer prosseguir com a declaração que fez na semana passada para testemunhar no Senado”, escreveu Grassley no Twitter.

“Ela deve decidir para que possamos seguir em frente. Eu quero ouvi-la. Espero que você entenda. Não é minha abordagem normal ser indeciso.”

Grassley não disse se um novo prazo foi definido.

Antes Grassley disse que manteria uma votação sobre a confirmação de Kavanaugh na segunda-feira, a menos que um acordo fosse fechado com os advogados da Ford.

Em um email para a equipe do comitê judiciário, a advogada de Ford, Debra Katz, classificou o prazo como arbitrário.

Kavanaugh negou as acusações e prometeu testemunhar na audiência de segunda-feira.

Tradução Redação São Paulo 55 11 56447751REUTERS RS

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below