September 28, 2018 / 7:21 PM / 18 days ago

China diz que "não há motivo para pânico" em relação ao atrito com os EUA

NOVA YORK (Reuters) - O principal diplomata do governo chinês, Wang Yi, disse nesta sexta-feira que “não há motivo para pânico” sobre o atrito entre Pequim e Washington, mas alertou que a China não será chantageada ou cederá à pressão relacionada a comércio.

Wang Yi durante assembléia da ONU em Nova York, EUA 28/09/2018 REUTERS/Carlo Allegri

Em uma reunião do Conselho de Segurança da ONU na quarta-feira, o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, acusou Pequim de tentar interferir nas eleições parlamentares de 6 de novembro em uma tentativa de impedir que ele e seu Partido Republicano tivessem bons resultados por conta de sua posição comercial. Na mesma reunião, Wang rejeitou a acusação.

Wang disse ao Conselho de Relações Exteriores em Nova York que ações concretas devem ser tomadas para manter as relações entre a China e os Estados Unidos e que “a história lembrará aqueles que assumiram a liderança em tempos nebulosos”.

“Protecionismo só prejudica a si mesmo, e medidas unilaterais trarão danos a todos”, disse Wang em um discurso na Assembleia Geral das Nações Unidas nesta sexta-feira.

“No que diz respeito a fricções comerciais, a China defende uma resolução adequada baseada em regras e consenso por meio de diálogo e consultas em pé de igualdade. A China não será chantageada ou cederá à pressão.”

Mais cedo, Wang disse ao Conselho de Relações Exteriores em Nova York que ações concretas precisam ser tomadas para manter relações entre os EUA e a China.

Os Estados Unidos e a China estão envolvidos em uma guerra comercial, provocada pelas acusações de Trump de que a China há muito procura roubar a propriedade intelectual dos EUA, limitar o acesso ao seu próprio mercado e subsidiar injustamente as empresas estatais.

“Quanto mais próximo o nosso envolvimento, mais estreitamente entrelaçados nossos interesses, talvez várias suspeitas e até mesmo atritos possam surgir”, disse Wang. “Isso não é surpreendente e também não é motivo para pânico.”

Ele negou qualquer sugestão de que houve transferência forçada de tecnologia de empresas estrangeiras na China e minimizou reclamações de algumas empresas dos EUA sobre condições de mercado na China, dizendo que estes não representam a maioria.

“O que é importante é como essas diferenças devem ser vistas, avaliadas e abordadas”, disse Wang.

Ele disse que a China está fomentando laços econômicos mais próximos com a Rússia, já que as duas economias são complementares e Moscou e Pequim estão na mesma página sobre questões internacionais. Segundo ele, derrubar o acordo nuclear de 2015 com o Iraque poderá levar a uma corrida armamentista regional.

Uma maior cooperação com a China é fundamental para a desnuclearização de sua aliada Coreia do Norte, disse o diplomata, que pediu a criação de um mecanismo de paz e que os EUA deem mais incentivos à Coreia do Norte.

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below