October 8, 2018 / 3:09 PM / 2 months ago

Republicanos temem "onda azul" democrata em eleição dos EUA em distritos antes seguros

SPOTSYLVANIA, Virgínia (Reuters) - Na última vez que foram realizadas eleições legislativas em Spotsylvania, distrito do centro do Estado norte-americano da Virgínia, Meg Sneed votou em Dave Brat, republicano que já ocupava uma vaga de deputado, enquanto a amiga Cheryll Lesser nem sequer foi votar.

Deputado republicano Dave Brat durante evento na Virginia 09/05/2017 REUTERS/Chet Strange

Na semana passada as duas estavam na segunda fileira de um comício realizado em uma academia de artes marciais ouvindo a democrata que concorre contra Brat, Abigail Spanberger, e concordaram com muito do que ela tinha a dizer.

Mas a verdadeira razão de sua presença era básica: Donald Trump. Elas não gostam do presidente, e não estão dispostas a votar em ninguém que o apóie, como Brat.

“Mais do que as políticas, é a animosidade que ele está fomentando no país”, disse Meg a respeito de Trump.

Eleitoras como ela e Cheryll são um motivo considerável para os democratas estarem acreditando agora que o partido pode conseguir mais do que as 23 cadeiras adicionais de que precisa para assumir o controle da Câmara dos Deputados nas eleições de meio de mandato de 6 de novembro. Alguns preveem que os democratas podem conseguir até 40 vagas convertendo distritos como o de Brat na Virgínia.

No início deste ano a cadeira de Brat era considerada garantida. Mas se a chamada “onda azul” se materializar, levará distritos como o seu, que inclui bolsões de eleitores que vêm se afastando cada vez mais dos republicanos.

“Os republicanos estão na defensiva em cada vez mais lugares”, disse Doug Heye, ex-funcionário do Comitê Nacional Republicano. “O mapa dos democratas continua a crescer. O mapa dos republicanos continua a encolher. Isso é um problema real”.

Se os democratas conquistarem a Câmara, grande parte da pauta de Trump será freada e seu governo será alvo de uma devassa ainda maior.

A previsão é que os republicanos manterão o Senado. Se por um lado os democratas precisam de somente dois assentos para controlá-lo, também precisam defender cadeiras em vários Estados conservadores.

Os democratas inundaram de recursos não somente distritos como o de Brat, mas outros que entraram em sua lista de territórios em disputa em locais como a Pensilvânia, Carolina do Norte, o sul da Califórnia e outras partes da Virgínia, como o distrito representado atualmente pelo republicano Scott Taylor.

Neste último Estado eles têm sido apoiados por grupos de ativistas abastados como o House Majority PAC, que começou a veicular anúncios de televisão anti-Brat no mês passado, e o NextGen, fundado pelo bilionário californiano Tom Steyer, que neste verão decidiu iniciar esforços para incentivar o comparecimento do eleitorado jovem do distrito.

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below