October 17, 2018 / 8:14 PM / 2 months ago

P&G quer extrair produtos das fraldas usadas para reciclagem na Itália

MILÃO/LONDRES (Reuters) - Uma joint venture entre a Procter & Gamble e o grupo de saúde italiano Angelini está trabalhando para criar um ciclo de reciclagem sustentável que permita a transformação de fraldas sujas em tampas plásticas e roupas de viscose.

Fraldas Pampers à venda em Pasadena 21/1/2014 REUTERS/Mario Anzuoni

Mais de 20 milhões de toneladas de fraldas descartáveis ​​são queimadas ou despejadas em aterros sanitários em todo o mundo a cada ano - um grande problema ambiental desde que seu uso se generalizou nas décadas de 1960 e 1970.

Parte do problema é que coletar, limpar e desmembrar as fraldas em seus componentes - plástico, celulose e polímero super absorvente - é complicado e caro.

A outra questão é que ninguém foi capaz de estabelecer um mercado para a produção reciclada, condenando esforços comerciais anteriores ao fracasso.

Fater, uma empresa sediada em Pescara, Itália, que se tornou uma joint venture em 1992, acredita que será capaz de abordar essas questões, apoiada por governos, consumidores e outras empresas incentivadas por uma nova consciência global da iminente crise da poluição por plásticos.

O novo governo italiano, em particular, fez das soluções da “economia circular” um pilar de sua agenda populista.

“Fraldas são feitas de plásticos da mais alta qualidade e nós demonstramos que elas podem ser recicladas para extrair blocos de construção de alto valor”, diz Marcello Somma, diretor de pesquisa e desenvolvimento de negócios da Fater.

Para a P&G, a maior fabricante de fraldas do mundo e uma das maiores contribuidoras para o problema, com quase 27 por cento do mercado de fraldas de 44 bilhões de dólares, Fater atende a vários requisitos.

A P&G pretende ser capaz de reciclar produtos absorventes de higiene (AHP), como fraldas, absorventes para incontinência e produtos de higiene feminina, em 10 cidades até 2030, de acordo com sua mais recente agenda de sustentabilidade. A longo prazo, espera usar 100 por cento de materiais renováveis ​​ou reciclados para todos os produtos e embalagens.

Roberto Marinucci, vice-presidente global de baby wipes, sustentabilidade e joint venture da P&G, disse que a empresa ainda não estabeleceu se os consumidores estariam dispostos a pagar mais pelas fraldas que sabem que serão recicladas, mas ficou claro que querem marcas que se preocupam com o meio ambiente.

“Acreditamos que a primeira razão, que está fazendo a coisa certa para o consumidor, é suficiente para nos convencer a ir adiante com o projeto”, disse Marinucci em uma entrevista.

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below