November 13, 2018 / 10:47 AM / a month ago

Fronteira entre Israel e Gaza tem piores confrontos desde guerra de 2014

GAZA/JERUSALÉM (Reuters) - Militantes palestinos mantiveram nesta terça-feira os disparos de foguetes mais intensos contra Israel desde a guerra de 2014, desencadeando ataques aéreos israelenses contra a rede de televisão do Hamas e outros alvos.

Palestinos passam por destroços de prédio destruído por ataque aéreo israelense em Gaza 13/11/2018 REUTERS/Suhaib Salem

A escalada, na qual cinco palestinos, quatro deles militantes, e um civil de Israel morreram, ameaça minar os esforços do Egito, do Catar e da Organização das Nações Unidas (ONU) para mediar um cessar-fogo de longo prazo e impedir mais um conflito de grande escala no enclave empobrecido.

O Hamas, movimento islâmico dominante em Gaza, e outras facções armadas lançaram mais de 400 foguetes ou morteiros através da fronteira depois de realizarem um ataque-surpresa de míssil teleguiado contra um ônibus na segunda-feira que feriu um soldado israelense, disseram os militares.

O Hamas disse estar retaliando uma operação israelense em Gaza que matou um de seus comandantes e seis outros atiradores. Um coronel israelense também morreu no incidente.

O acionamento de sirenes em cidades do sul israelense e no porto de Ashkelon fez os moradores correrem para abrigos antibomba. Várias casas foram atingidas, e os militares disseram que o sistema antifoguetes Domo de Ferro interceptou mais de 100 foguetes e morteiros.

Israel reagiu com dezenas de ataques aéreos contra edifícios de Gaza, incluindo um complexo de inteligência do Hamas e os estúdios da TV Al-Aqsa, cujos funcionários haviam sido alertados previamente pelo militares para se retirarem.

O primeiro-ministro Benjamin Netanyahu convocou seu gabinete de segurança nesta terça-feira para debater as próximas ações de Israel, e os militares disseram ter enviado infantaria e reforços blindados para a fronteira de Gaza.

Um comunicado emitido por grupos militantes de Gaza disse que Ashdod, um grande porto israelense, e Beersheba, a maior cidade do sul de Israel, serão os próximos alvos se o Estado judeu não cessar fogo.

O Cairo exortou Israel a recuar. Os Estados Unidos, cuja mediação da paz está emperrada desde a guerra de sete semanas de 2014, criticou o Hamas.

“A escalada das últimas 24 horas é extremamente perigosa e irresponsável”, tuitou Nickolay Mladenov, enviado para o Oriente Médio na ONU. “Os foguetes precisam parar, todos devem mostrar comedimento!”.

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below