November 21, 2018 / 4:14 PM / 25 days ago

Trump elogia Arábia Saudita em meio a pressão sobre Khashoggi

Presidente dos EUA, Donald Trump, fala com jornalistas na Casa Branca 20/11/2018 REUTERS/Leah Millis

WASHINGTON (Reuters) - O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, elogiou a Arábia Saudita por ajudar a reduzir os preços do petróleo nesta quarta-feira, à medida que cresce a pressão para que Washington imponha sanções mais rígidas contra o reino após o assassinato do jornalista saudita Jamal Khashoggi.

Em publicação no Twitter, Trump agradeceu Riad pela recente queda no preço do petróleo e pediu uma maior redução, que comparou a “um grande corte fiscal” que poderia impulsionar as economias dos Estados Unidos e do mundo.

Trump tem repetidamente criticado os altos preços do petróleo e a Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) por sua produção, pressionando a Arábia Saudita, importante produtora de petróleo, a agir.

Os preços do petróleo, subiram mais de 1 por cento nesta quarta-feira, mas estavam tendendo para baixo há semanas. Os preços sofreram uma queda na terça-feira, após o relato de um declínio inesperado nos estoques de petróleo dos EUA.

“Os preços do petróleo estão caindo. Ótimo! Como um grande corte fiscal para os Estados Unidos e o mundo. Aproveitem! 54 dólares, estava 82 dólares. Obrigado Arábia Saudita, mas vamos reduzir mais”, escreveu Trump.

Na terça-feira, Trump se comprometeu a continuar sendo um “parceiro firme” da Arábia Saudita, mesmo após dizer que o príncipe herdeiro Mohammed bin Salman pode ter sabido do plano para assassinar Khashoggi no mês passado.

A CIA acredita que a morte de Khashoggi foi ordenada diretamente pelo príncipe herdeiro, governante de fato da Arábia Saudita e amplamente conhecido pelas iniciais MbS, disseram fontes com conhecimento do caso.

Com parlamentares norte-americanos pedindo por sanções mais rígidas contra Riad, Trump disse que não irá cancelar acordos militares com o reino. O presidente disse que essa seria uma medida “tola”, que só beneficiaria a Rússia e a China, competidoras dos Estados Unidos no mercado de armas.

Diversos parlamentares, incluindo alguns colegas republicanos de Trump, criticaram duramente seu posicionamento.

Reportagem de Susan Heavey e Lisa Lambert

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below