March 5, 2019 / 7:33 PM / 7 months ago

Sob pressão global, Paquistão começa repressão a grupos militantes

ISLAMABAD (Reuters) - O Paquistão disse nesta terça-feira que começou a reprimir grupos militantes islâmicos, prendendo 44 membros de organizações banidas, inclusive parentes próximos do líder do grupo culpado por um bombardeio letal à região da Caxemira, controlada pela Índia, mês passado.

O Ministério do Interior afirmou que foi uma medida para “acelerar ações contra organizações proibidas”. Autoridades afirmam que foi parte de uma investida planejada há muito tempo contra grupos militantes e não uma resposta à irritação da Índia em relação ao que Nova Délhi chamou de fracasso de Islamabad em controlar grupos militantes operando em solo paquistanês. 

O Paquistão encara pressão de potências globais para agir contra grupos que realizam ataques na Índia, incluindo Jaish-e-Mohammed (JeM), que reivindicou responsabilidade pelo ataque de 14 de fevereiro que matou pelo menos 40 membros da política paramilitar. 

O incidente levou ao mais sério conflito em anos entre os vizinhos com armas nucleares, com ataques aéreos entre as fronteiras e um breve conflito no espaço aéreo da Caxemira. A tensão esfriou quando o Paquistão devolveu um piloto abatido da Índia na sexta-feira.

Em mais um sinal de que as tensões estão aliviando, o Ministério das Relações Exteriores do Paquistão afirmou que uma delegação visitará Nova Délhi na próxima semana para discutir um acordo sobre peregrinos Sikh visitando locais sagrados no Paquistão. 

O Ministério do Interior afirmou que parentes próximos do líder do JeM, Masood Azhar, foram detidos em “custódia preventiva” como parte da repressão. Nomeou-os como Mufti Abdul Raoof e Hamad Azhar, que uma autoridade do ministério afirmou ser filho do líder. 

Na terça-feira, o Paquistão colocou duas instituições de caridade ligadas a Hafiz Saeed, fundador de uma organização militante que Estados Unidos e Índia culpam por vários ataques letais, incluindo o sítio de homens armados em Mumbai, em 2008, que matou 166 pessoas, na lista oficial de entidades banidas no país. 

As instituições de caridade Jamaat-ud-Dawa e Falah-e-Insaniat foram colocadas na lista depois de o governo anunciar a restrição no mês passado. 

Camila Moreira

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below