March 14, 2019 / 3:27 PM / 8 months ago

Julgamento de soldado britânico por mortes do "Domingo Sangrento" ressuscita polêmica

LONDONDERRY, Irlanda do Norte (Reuters) - Um ex-soldado britânico será processado por dois assassinatos cometidos no “Domingo Sangrento”, durante o qual 13 defensores de direitos civis católicos desarmados de Londonderry foram mortos por paraquedistas britânicos em 1972 —um dos incidentes mais notórios do conflito da Irlanda do Norte.

Famílias de vítimas mortas no "Domingo Sangrento" concedem entrevista coletiva após anúncio de processo contra um ex-soldado 14/03/2019 REUTERS/Clodagh Kilcoyne

As provas foram insuficientes para se acusar 16 outros ex-soldados, disse a Procuradoria-Geral da Irlanda do Norte nesta quinta-feira.

Tropas do Regimento de Paraquedistas de elite abriram fogo no dia 30 de janeiro de 1972, um domingo, durante uma marcha não autorizada no Bogside, uma área nacionalista de Londonderry. Eles mataram 13 pessoas e feriram 14 outras, uma das quais morreu depois.

Em 2010, um inquérito judicial sobre os eventos do Domingo Sangrento, que ocorreu no auge do conflito sectário de 30 anos da Irlanda do Norte, afirmou que as vítimas eram inocentes e que não representavam uma ameaça aos militares.

Foi o pior incidente com armas de fogo desde os “Distúrbios”, mas vários ataques com bomba de grupos militantes rivais causaram ainda mais mortes, e a decisão desta quinta-feira ressuscitará a polêmica.

O procurador anunciou nesta quinta-feira que existem provas suficientes para processar o “Soldado F” pelo assassinato de James Wray e William McKinney e pela tentativa de assassinato de Joseph Friel, Michael Quinn, Joe Mahon e Patrick O’Donnell.

Mas “a respeito dos outros 18 suspeitos, incluindo 16 ex-soldados e dois supostos membros do IRA Oficial, concluiu-se que as provas disponíveis são insuficientes para proporcionar uma perspectiva razoável de condenação”, disse um comunicado do procurador.

Famílias das vítimas disseram que ficaram desapontadas com a decisão. Seus advogados disseram que irão contestar na Suprema Corte qualquer decisão do Ministério Público que não atinja todos envolvidos.

“Gostaríamos de lembrar a todos que nenhuma acusação ou, se chegar a isso, nenhuma condenação não significa nenhum culpado, isso não significa que nenhum crime foi cometido, isso não significa que aqueles soldados agiram de forma digna e apropriada”, disse Mickey McKinney, irmão de uma das vítimas, em uma entrevista coletiva.

Antes do informe de um promotor em um hotel de Londonderry, as famílias marcharam a partir do Bogside e cantaram o hino dos direitos civis “We Shall Overcome”.

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below