April 11, 2019 / 3:32 PM / 4 months ago

Líder do Sudão é deposto por militares e preso após governo de 30 anos

CARTUM (Reuters) - Omar al-Bashir, que governou o Sudão como presidente autocrata durante 30 anos, foi deposto e preso nesta quinta-feira após sofrer um golpe das Forças Armadas.

Manifestantes carregam militar durante protesto em frente ao Ministério da Defesa do Sudão, em Cartum 11/04/2019 REUTERS/Stringer

Em um discurso na televisão estatal, o ministro da Defesa, Awad Mohamed Ahmed Ibn Auf, anunciou um período de dois anos de governo militar seguido por uma eleição presidencial.

O ministro disse que Bashir, de 75 anos, está sendo mantido em um “lugar seguro” e que um conselho militar comandará o país, sem informar quem o encabeçará.

Auf anunciou um estado de emergência, um cessar-fogo de âmbito nacional e a suspensão da Constituição. O espaço aéreo do Sudão ficará fechado durante 24 horas, e as passagens de fronteira interditadas até segunda ordem.

A Associação de Profissionais Sudaneses, a principal organizadora dos protestos contra Bashir, rejeitou os planos do ministro. O grupo pediu que os manifestantes mantenham uma ocupação do Ministério da Defesa que começou no sábado, disse uma fonte interna.

Fontes sudanesas disseram à Reuters que Bashir está na residência presidencial sob “forte escolta”. Um filho de Sadiq al-Mahdi, líder da principal sigla da oposição, o Partido Umma, disse à Al-Hadath TV que Bashir está sendo detido com “vários líderes do grupo terrorista Irmandade Muçulmana”.

Bashir foi indiciado pelo Tribunal Penal Internacional (TPI) de Haia e é alvo de um mandado internacional de prisão devido a alegações de genocídio na região sudanesa de Darfur durante uma insurgência que começou em 2003 e causou a morte de cerca de 300 mil pessoas.

Apesar do mandado de prisão, Bashir desafiou a corte visitando vários países-membros do TPI. Desavenças diplomáticas irromperam quando ele foi à África do Sul em 2015 e à Jordânia em 2017 e nenhuma das duas nações o prendeu.

A queda de Bashir coincide com a deposição do autocrata argelino Abdelaziz Bouteflika neste mês, também na esteira de protestos de massa, após três décadas no poder.

Nomes de possíveis sucessores de Bashir estão circulando, entre eles o do titular da Defesa, um ex-chefe de inteligência militar e também islâmico, e do ex-chefe do Estado-Maior do Exército, Emad al-Din Adawi.

Vizinhos regionais em choque com Bashir devido às suas inclinações islâmicas têm preferência por Adawi.

O Sudão vinha sendo abalado desde dezembro por protestos persistentes, causados pela tentativa do governo de aumentar o preço do pão e por uma crise econômica que provocou escassez de combustível e moeda.

Reportagem adicional de Ali Abdelaty

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below