April 30, 2019 / 6:49 PM / 6 months ago

EUA quer designar Irmandade Muçulmana como grupo terrorista, diz Casa Branca

Por Steve Holland e Arshad Mohammed

Presidente dos EUA, Donald Trump, durante cerimônia no Salão Oval da Casa Branca 29/04/2019 REUTERS/Leah Millis

WASHINGTON (Reuters) - O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, está trabalhando para designar a Irmandade Muçulmana como uma organização terrorista estrangeira, anunciou a Casa Branca nesta terça-feira, o que sujeitará o movimento islâmico mais antigo do Egito a sanções.

“O presidente consultou sua equipe de Segurança Nacional e líderes da região que compartilham sua preocupação, e esta designação está passando pelo processo interno”, disse a porta-voz da Casa Branca, Sarah Sanders, em um email.

O presidente egípcio, Abdel Fattah al-Sisi, pediu a Trump a designação, que o Egito já adotou, em uma conversa particular durante uma visita a Washington no dia 9 de abril, disse uma autoridade de alto escalão dos EUA, confirmando uma reportagem desta terça-feira do New York Times.

Após o encontro, Trump elogiou Sisi por ser um “grande presidente”, mas um grupo bipartidário de parlamentares norte-americanos expressou receios devido ao histórico de Sisi no tocante aos direitos humanos, os esforços para mantê-lo no cargo por muitos anos e planos para comprar armas da Rússia.        

Sisi, que depôs o presidente Mohamed Mursi, da Irmandade Muçulmana, em 2013 e foi eleito no ano seguinte, tem sido responsável pela repressão de islâmicos e de opositores liberais no Egito.

A proposta de declarar o grupo uma organização terrorista provocou um debate dentro da equipe de Segurança Nacional de Trump, disse o funcionário norte-americano.

O conselheiro de Segurança Nacional da Casa Branca, John Bolton, e o secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, apoiam a designação, mas autoridades do Pentágono e de outras entidades vêm se opondo e querem uma ação mais limitada, segundo o funcionário graduado.

A Irmandade, que estima ter até um milhão de membros, chegou ao poder graças à primeira eleição egípcia democrática em 2012, um ano depois de o autocrata Hosni Mubarak ser deposto por um levante popular após muitos anos no comando do país – mas hoje o movimento está proibido, e milhares de seus apoiadores e grande parte de sua liderança foram presos.

Yehya Hamed, que mora em Istambul e foi ministro do Investimento no governo Mursi, disse que Trump está “tentando lutar com o vento”, observando o papel destacado dos partidos políticos islâmicos na Tunísia e no Marrocos.

“O que Trump está fazendo está levando mais instabilidade à região”, opinou Hamed.

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below