May 23, 2019 / 10:27 PM / 3 months ago

Guerrilheiro americano do Talibã é libertado de prisão dos EUA

(Reuters) - John Walker Lindh, cidadão americano capturado no Afeganistão em 2001 enquanto lutava pelo Talibã, foi libertado antecipadamente de uma penitenciária federal nesta quinta-feira, após cumprir 17 anos de prisão, informou a Administração Federal de Prisões. 

Pessoa apontada como John Walker Lindh, deixa penitenciária federal, após conclusão de sua setença. 23/5/2019. REUTERS/Bryan Woolston

Lindh, que tinha 20 anos de idade quando foi capturado, foi libertado em meio a preocupações sobre sua reabilitação. 

O norte-americano, agora com 38 anos, deixou a prisão em Terre Haute, Indiana. Ele havia sido condenado a 20 anos de prisão após se declarar culpado em 2002 em acusações de fornecimento de serviços ao Talibã, e de portar um explosivo durante o cometimento do crime. 

Lindh está entre as dezenas de prisioneiros que devem ser libertados durante os próximos anos e que foram capturados no Iraque e no Afeganistão tendo sido condenados por crimes relacionados a terrorismo após os ataques da al Qaeda aos Estados Unidos em 11 de setembro de 2001. 

Sua soltura provocou objeções de oficiais eleitos que perguntaram a causa de Lindh ser libertado antecipadamente e o que os oficiais de condicional têm feito para detectar radicalização e reincidência entre ex-jihadistas.

Documentos governamentais vazados e publicados pela revista “Foreign Policy” mostram que o governo federal havia descrito Lindh ainda em 2016 como uma pessoa de “visões extremistas”. 

O secretário de Estado dos Estados Unidos, Mike Pompeo, classificou a libertação de Lindh como “inexplicável e inconcebível”. “Há algo profundamente problemático e errado nisso”, disse Pompeo no canal Fox News. 

“Qual é a atual política estratégica entre agências e o processo para garantir que condenados de terrorismo/extremismo sejam reintroduzidos com sucesso na sociedade?”, perguntaram os senadores Richard Selby e Margaret Hassan à Administração Federal de Prisões. 

A entidade disse em nota que não compartilha os detalhes de planos de soltura de detentos específicos mas que tem políticas de monitoramento de ex-detentos em condicional e que tenham ligações com casos de terrorismo. 

Durante sua libertação supervisionada, Lindh não poderá possuir qualquer dispositivo com acesso à Internet sem a permissão de seu oficial de condicional, e qualquer dispositivo do tipo deverá ser monitorado de forma contínua, de acordo com documentos da corte. 

Lindh também não poderá ter passaporte, comunicar-se com extremistas conhecidos ou se comunicar online em qualquer língua que não seja o inglês, a não ser que isso seja aprovado. Ele também terá de passar por orientação de saúde mental, de acordo com documentos da corte. 

Reportagem de Andrew Hay em Taos, Novo México; reportagem adicional de Jonathan Allen

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below