May 28, 2019 / 4:50 PM / 4 months ago

Merkel e Macron discordam sobre escolha de próximos chefes da União Europeia

BRUXELAS (Reuters) - A chanceler alemã, Angela Merkel, e o presidente francês, Emmanuel Macron, discordaram nesta terça-feira sobre quem deverá ser o próximo chefe da Comissão Europeia no momento em que líderes da União Europeia se reuniram para começar a barganhar por seus candidatos aos principais cargos do bloco nos próximos cinco anos.

Presidente da França, Emmanuel Macron, e chanceler da Alemanha, Angela Merkel, conversam em Sibiu, na Romênia 09/05/2019 Ludovic Marin/Pool via REUTERS

Uma eleição em toda a UE na semana passada resultou em um Parlamento Europeu com um centro fragmentado e ganhos de liberais pró-UE e Verdes, bem como nacionalistas eurocéticos e a extrema direita, dificultando o consenso em torno de uma agenda coerente para o bloco.

“Não escolheremos o sr. ou sra. Europa hoje, mas apenas traçaremos um equilíbrio após a eleição europeia”, disse o premiê liberal de Luxemburgo, Xavier Bettel, antes da reunião dos 28 líderes em Bruxelas.

Realizada uma vez a cada cinco anos, a eleição da UE significa que os chefes das principais instituições do bloco serão agora substituídos.

Merkel disse ao chegar para a reunião que apoia o parlamentar alemão de centro-direita Manfred Weber para ser próximo chefe da Comissão Europeia, o poderoso órgão Executivo da UE, depois que Jean-Claude Juncker, de Luxemburgo, deixar o cargo em 31 de outubro.

Minutos depois, Macron respondeu, listando a comissária para concorrência da UE, a dinamarquesa Margrethe Vestager, o negociador de Brexit do bloco, o francês de centro-direita Michel Barnier, e o social-democrata holandês Frans Timmermans coomo candidatos apropriados, deixando de fora Weber.

Os premiês da Espanha e Suécia explicitamente apoiaram Timmermans, enquanto os chefes da Irlanda e Croácia endossaram Weber. Bettel, de Luxemburgo, defendeu Margrethe, enquanto líderes ocidentais exigiram equilíbrio geográfico ao conceder as importantes funções.

O premiê holandês, Mark Rutte, também aventado como possível concorrente no obscuro processo de escolha, disse que a reunião desta terça-feira era sobre “conteúdo em vez de pessoas”. Também era, disse ele, sobre concordar em prioridades políticas para os próximos anos, incluindo mudanças climáticas, economia e migração.

O Partido Popular Europeu (EPP, na sigla em inglês) de centro-direita e o grupo de centro-esquerda Socialistas e Democratas (S&D) foram reduzidos a 326 cadeiras na nova câmara, de 751 assentos, no domingo, 50 menos do que a maioria necessária para determinar sozinhos quem deve encabeçar a Comissão, como fizeram nos anos anteriores.

Outros grandes cargos que ficarão vagos no final deste ano incluem o chefe do Parlamento Europeu e do Banco Central Europeu, o chefe de política externa do bloco e o chefe do Conselho Europeu, que representa os líderes dos 28 países membros da UE e ajuda a intermediar consensos entre eles.

A UE arriscaria um impasse institucional se as negociações se arrastarem, deixando-a incapaz de tomar decisões políticas cruciais no momento em que enfrenta uma Rússia mais assertiva, o poder econômico crescente da China e um presidente dos Estados Unidos imprevisível.

Líderes da maioria dos partidos na recém-eleita câmara pediram na terça-feira aos líderes dos governos nacionais que nomeiem um legislador para substituir Juncker.

(Por Jan Strupczewski, Philip Blenkinsop, Alastair Macdonald, Francesco Guarascio, Robin Emmott, Daphne Psaledakis, Jean-Baptiste Vey e Michel Rose)

Tradução Redação São Paulo, 5511 56447759 REUTERS ES

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below