August 6, 2019 / 1:49 PM / 3 months ago

Caxemira sofre 2º dia de blecaute nas telecomunicações após perda de status especial

SRINAGAR, Índia (Reuters) - Um blecaute nas telecomunicações da Caxemira entrou no segundo dia nesta terça-feira, depois que a Índia interrompeu os sinais de televisão, telefone e internet para conter protestos após descartar o status constitucional especial região.

Rua deserta de Srinagar 05/08/2019 REUTERS/Devjyot Ghoshal

Na tentativa de apertar o cerco à única região de maioria muçulmana do país, o governo descartou uma cláusula constitucional que permite que o Estado de Jammu e Caxemira, que há tempos causa atritos nos laços com o vizinho Paquistão, formule suas próprias leis.

“Estamos nos virando por ora”, disse uma autoridade graduada de um hospital de Srinagar, a maior cidade da região, que está entre as instalações médicas afetadas pela limitação nas comunicações.

Os funcionários estão fazendo hora-extra no hospital de 500 leitos Lal Ded, e ambulâncias foram enviadas para buscar médicos e enfermeiras, acrescentou a autoridade, que pediu anonimato por não ter autorização para falar com a mídia.

Horas antes do anúncio de segunda-feira, autoridades da Caxemira, que também é reivindicada pelo Paquistão, impuseram um blecaute inédito nas comunicações da região e prenderam seus líderes, incluindo dois ex-ministros de Estado.

Embora os líderes tenham alertado que a mudança, que permite que pessoas que não moram na região comprem propriedades, provocaria distúrbios, o blecaute e a forte mobilização de tropas, incluindo dezenas de milhares de soldados adicionais, ajudaram a refrear a agitação.

Uma reação negativa à decisão de Nova Déli é iminente, já que muitos da região disseram que esta viola a confiança, alertou Shah Faesal, líder do partido político Movimento Popular de Jammu e Caxemira.

“Podemos ver uma erupção quando a guarda estiver baixa”, disse ele à Reuters. “As pessoas estão vendo-a como um ato de humilhação”.

A decisão de revogar o status especial da Caxemira foi elogiada por muitos políticos indianos, inclusive alguns opositores do partido governista Bharatiya Janata (BJP) do primeiro-ministro, Narendra Modi.

Muitos na Índia a veem como um medida ousada para encerrar uma revolta armada de três décadas no território, aproximando-o do restante da nação.

A mídia classificou a manobra como histórica nesta terça-feira, mas crescem as críticas à maneira como Modi tomou a decisão em meio a uma operação de repressão e sem grandes consultas políticas.

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below