August 20, 2019 / 2:58 PM / in a month

Rússia diz a agência que entrega de dados sobre radiação de acidente é voluntária

Por Andrew Osborn e Maria Kiselyova

Vice-ministro russo das Relações Exteriores da Rússia, Sergei Ryabkov, durante entrevista coletiva em Moscou 07/02/2019 REUTERS/Maxim Shemetov

MOSCOU (Reuters) - A Rússia disse a uma agência que monitora uma proibição de testes nucleares que um acidente durante um teste militar no norte do país neste mês não é de sua conta e que entregar-lhe quaisquer dados sobre radiação é voluntário, relatou a agência de notícias Interfax nesta terça-feira.

Sediada em Viena, a Organização do Tratado Abrangente de Proibição a Testes Nucleares (CTBTO, na sigla inglês) disse na segunda-feira que suas duas instalações de monitoramento russas mais próximas do local de uma explosão misteriosa se desconectaram dois dias após a detonação, seguidas por outras duas, provocando temores de uma possível adulteração da Rússia.

Nesta terça-feira, a CTBTO disse que os sensores de partículas radioativas de ao menos uma das quatro estações de monitoramento russas em questão voltaram a transmitir.

A agência estatal nuclear Rosatom admitiu que cinco de seus funcionários morreram na explosão de 8 de agosto, que ocorreu durante um teste de foguete perto do Mar Branco, no extremo norte da Rússia. Também se relatou a morte de dois militares russos.

Surgiram informações contraditórias sobre as consequências do acidente. Inicialmente, o Ministério da Defesa russo disse que a radiação de fundo permaneceu normal após o incidente, mas a agência meteorológica estatal da Rússia disse que os níveis de radiação na cidade vizinha de Severodvinsk aumentaram até 16 vezes.

O vice-ministro das Relações Exteriores, Sergei Ryabkov, disse nesta terça-feira que o acidente não é assunto da CTBTO, a primeira a relatar que as estações de monitoramento de radiação ficaram mudas, de acordo com a Interfax. 

“É essencial lembrar que entregar dados de nossas estações nacionais, que são parte do sistema internacional de monitoramento, é inteiramente voluntário para qualquer país”, disse Ryabkov, conforme citação da Interfax.

A autoridade da CTBTO só cobre o Tratado Abrangente de Proibição a Testes Nucleares ou moratórias nacionais de testes, acrescentou Ryabkov. O tratado foi adotado pela Assembleia-Geral das Nações Unidas em 1996, mas ainda não entrou em vigor porque alguns países ou não o assinaram ou não o ratificaram.

O acidente de 8 de agosto “não deveria ter nenhuma conexão” com as atividades da CTBTO, disse Ryabkov, acrescentando que a autoridade da agência não contempla o desenvolvimento de armas.

“Explicações minuciosas sobre o que aconteceu e quais foram as consequências foram dadas às estruturas relevantes”, segundo Ryabkov, e o acidente misterioso não causou riscos nem ao meio ambiente, nem às pessoas.

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below