October 5, 2019 / 3:16 PM / 2 months ago

Hong Kong fica silenciosa, com metrô e lojas fechados após noite de violência

HONG KONG (Reuters) - Hong Kong ficou assustadoramente silenciosa neste sábado, com o metrô e a maioria dos shoppings fechados em uma paralisação sem precedentes de um dos maiores centros comerciais do mundo depois que o governo invocou medidas de emergência para conter meses de inquietação.

Estação de metrô vandalizada é fechada ao público no distrito de Tsim Sha Tsui, em Hong Kong 05/10/2019

Centenas de manifestantes antigovernamentais desafiaram a proibição de máscaras faciais e saíram às ruas pela cidade governada pela China no início do dia. Mas, à noite, eles haviam se dispersado amplamente em preparação para marchas maiores, planejadas para domingo.

A operadora ferroviária MTR Corp suspendeu todos os serviços, paralisando o transporte no centro financeiro asiático, enquanto shoppings e lojas fecharam cedo após uma noite de caos em que a polícia atirou em um adolescente e manifestantes incendiaram empresas e estações de metrô.

Protestos eclodiram na sexta-feira na antiga colônia britânica, horas depois que sua líder, Carrie Lam, invocou poderes de emergência da era colonial pela primeira vez em mais de 50 anos para proibir o uso de máscaras faciais que os manifestantes usavam para esconder suas identidades.

A “violência extrema” da noite justificou o uso da lei de emergência, disse Lam, apoiado por Pequim, em um discurso na televisão neste sábado.

“O comportamento radical dos manifestantes levou Hong Kong a uma noite muito escura, deixando a sociedade hoje meio paralisada”, disse ela em observações pré-gravadas.

“A extrema violência ilustrou claramente que a segurança pública de Hong Kong está amplamente ameaçada. Essa é a razão concreta pela qual tivemos que invocar a lei de emergência ontem para introduzir a lei anti-máscara”.

Sem se deixar abater pela proibição e pelo fechamento de transportes, várias centenas de manifestantes pró-democracia - muitos usando máscaras - marcharam no movimentado distrito comercial de Causeway Bay neste sábado, mas não houve repetição da violência de sexta-feira.

Outros grupos se reuniram em Sheung Shui, perto da fronteira com a China continental e no movimentado distrito comercial e turístico de Tsim Sha Tsui.

“Sentimos que tínhamos que sair e mostrar nosso direito básico de usar uma máscara”, disse uma manifestante, Sue, 22 anos, que usava uma máscara preta e óculos escuros na marcha da Causeway Bay.

“O governo precisa aprender que não pode espremer pessoas de Hong Kong assim.”

As manifestações cada vez mais violentas que assolam a cidade há quatro meses começaram em oposição a um projeto de lei que permitiria que as pessoas fossem extraditadas para a China continental para julgamento. Desde então, eles entraram em um movimento pró-democracia mais amplo.

A agitação mergulhou Hong Kong em sua maior crise política desde a sua passagem da Grã-Bretanha para a China em 1997, sob uma fórmula de “um país, dois sistemas” que lhe concedia autonomia e amplas liberdades não usufruídas no continente.

Por Felix Tam, Greg Torode, Clare Jim, e Twinnie Siu

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below