February 24, 2020 / 1:21 PM / 5 months ago

Para advogado dos EUA, Julian Assange coloca vidas em risco

LONDRES (Reuters) - Julian Assange é procurado por crimes que colocam em risco as vidas de pessoas no Iraque, Irã e Afeganistão que ajudaram o Ocidente, disse um advogado dos Estados Unidos em sua tentativa de extraditar o australiano de 48 anos.

Quase uma década desde que seu site WikiLeaks enfureceu Washington por vazar documentos secretos dos EUA, Assange apareceu barbeado em uma audiência de extradição no Woolwich Crown Court, em Londres, para confirmar seu nome e idade.

Sobre os gritos de “Liberte Julian Assange” do lado de fora do tribunal, a juíza Vanessa Baraitser alertou que qualquer pessoa causando distúrbio seria removida. Ela disse que a manifestação não ajudaria o caso de Assange.

O advogado dos Estados Unidos James Lewis disse ao tribunal que Assange deveria ser extraditado para ser julgado por crimes como hacking e por disseminar material sensível que colocara em risco a vida de informantes, jornalistas, dissidentes e outros no Iraque, Irã e Afeganistão.

Os Estados Unidos pediram ao Reino Unido para extraditar Assange no ano passado, depois que ele foi retirado da embaixada do Equador em Londres, onde passou sete anos evitando a extradição para a Suécia por alegações de crimes sexuais, que foram retiradas. Assange cumpriu uma sentença no Reino Unido por não pagar fiança e permanece preso enquanto aguarda o pedido de extradição dos EUA.

Lewis procurou deixar claro que Assange não era procurado por ter envergonhado os Estados Unidos, mas por ter violado a lei e colocado vidas em risco.

“Eu lembraria ao tribunal que esses indivíduos estavam passando informações do Iraque, Afeganistão e Irã”, afirmou Lewis. Centenas de pessoas em todo o mundo tiveram que ser avisadas após as divulgações do WikiLeaks e algumas tiveram que ser realocadas de seus países, acrescentou.

“Algumas fontes identificadas pelo WikiLeaks ... desapareceram posteriormente”, disse ele, embora tenha acrescentado que as autoridades norte-americanas não podem provar que isso foi resultado da ação do WikiLeaks.

Jennifer Robinson, advogada de Assange, disse que seu caso poderia levar a criminalizar atividades cruciais de jornalistas investigativos e que o trabalho de Assange lançou uma luz sem precedentes sobre como os Estados Unidos conduziram suas guerras no Iraque e no Afeganistão.

“Estamos falando de assassinatos colaterais, evidências de crimes de guerra”, disse ela na semana passada. “Eles são um recurso notável para aqueles de nós que buscam responsabilizar os governos por abusos”.

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below