for-phone-onlyfor-tablet-portrait-upfor-tablet-landscape-upfor-desktop-upfor-wide-desktop-up

Assolado pela guerra, Iêmen confirma 1o caso de coronavírus e prevê mais

ÁDEN (Reuters) - O Iêmen relatou o primeiro caso de coronavírus do país nesta sexta-feira, e grupos humanitários preveem uma epidemia no país, onde a guerra devastou os sistemas de saúde e espalhou doenças e fome.

A notícia do caso confirmado em laboratório chegou na esteira da adoção de um cessar-fogo de âmbito nacional na quinta-feira em reação à pandemia do vírus. Uma coalizão liderada pelos sauditas que enfrenta o movimento houthi iemenita disse que suspenderá as operações militares por duas semanas, mas os houthi ainda não seguiram o exemplo.

Um iemenita de 60 anos foi diagnosticado em Hadhramout, região produtora de petróleo no sul controlada pelo governo internacionalmente reconhecido do Iêmen, comunicou o comitê de emergência nacional.

O porta-voz Ali al-Walidi disse a jornalista que o doente, que trabalha no pequeno porto de Ash Shihr, está em condição estável em um centro de quarentena.

As autoridades ordenaram o fechamento de Ash Shihr durante uma semana para uma limpeza profunda e instruíram os trabalhadores do local a se isolarem em casa por uma quinzena, de acordo com uma diretiva vista pela Reuters.

Elas também impuseram um toque de recolher noturno de 12 horas em Hadhramout a partir das 18h desta sexta-feira.

Os governadores das regiões vizinhas de Shabwa e Al Mahra ordenaram o fechamento de suas fronteiras com Hadhramout também nesta sexta-feira.

Se o vírus se disseminar no Iêmen, o impacto será “catastrófico”, disse Lise Grande, coordenadora humanitária da Organização das Nações Unidas (ONU), à Reuters, já que o estado de saúde de ao menos metade da população está “muito degradado” e o país não tem suprimentos ou instalações suficientes.

“Esta é uma das maiores ameaças que o Iêmen enfrentou nos últimos 100 anos”, disse Grande em um comunicado emitido nesta sexta-feira. “É hora das partes pararem de lutar umas contra as outras e começarem a lutar contra a Covid juntas”.

Por Mohammed Ghobari, Mohammed Mokhashef e equipe da Reuters TV, Lisa Barrington, Humeyra Pamuk e Samar Hassan

for-phone-onlyfor-tablet-portrait-upfor-tablet-landscape-upfor-desktop-upfor-wide-desktop-up