for-phone-onlyfor-tablet-portrait-upfor-tablet-landscape-upfor-desktop-upfor-wide-desktop-up

Pesquisa aponta apoio crescente a Biden sobre Trump em 3 Estados decisivos

NOVA YORK (Reuters) - O presidente dos Estados Unidos, o republicano Donald Trump, está atrás do democrata Joe Biden entre os eleitores registrados em três Estados nos quais venceu por estreita margem em 2016 e são considerados cruciais para vencer as eleições de novembro, segundo pesquisa de opinião da Ipsos a pedido da Reuters.

Presidente Donald Trump cumprimento ex-vice-presidente Joe Biden e o ex-presidente Barack Obama. 20/1/2017. REUTERS/Lucy Nicholson

A pesquisa, conduzida entre 15 e 20 de abril em Michigan, Wisconsin e Pensilvânia, mostrou que 45% dos eleitores registrados disseram que apoiariam Biden, o virtual indicado do Partido Democrata, enquanto 39% disseram que apoiariam Trump.

A consulta também concluiu que Biden, vice-presidente do antecessor de Trump, Barack Obama, tem uma vantagem de 3 pontos percentuais entre os eleitores registrados em Wisconsin, 6 pontos na Pensilvânia e 8 pontos no Michigan.

A pesquisa da Ipsos também mostra que Biden manteve ou aprimorou ligeiramente sua liderança sobre Trump nesses locais nos últimos meses, mesmo com sua campanha e as eleições primárias ofuscadas pelo coronavírus. Os Estados Unidos tem o maior número de casos e mortes no mundo, com 821 mil pessoas infectadas e pelo menos 46 mil mortos.

A vantagem de Biden no Michigan, Wisconsin e Pensilvânia sobre Trump foi de em média 3 a 4 pontos percentuais em fevereiro e março, de acordo com uma consolidação de resultados de pesquisas pela Real Clear Politics.

Isso sugeriria também que Trump não teve aumento de apoio nesses Estados, mesmo garantindo a atenção pública com o comando da resposta federal à crise do coronavírus e tentando se projetar como um “presidente em tempos de guerra” combatendo um inimigo invisível.

Outra pesquisa Reuters/Ipsos de terça-feira mostrou Biden oito pontos àfrente de Trump nacionalmente, com o apoio ao democrata subindo em todo o país nas últimas três semanas enquanto a desaprovação à resposta de Trump à pandemia cresceu.

Mas muita coisa pode acontecer até as eleições de 3 de novembro. Pesquisas estaduais em 2016 mostravam que a democrata Hillary Clinton tinha vantagem ampla sobre Trump no início do ciclo eleitoral nos mesmos estados em que perdeu na eleição. Em todos, a derrota foi por menos de um ponto percentual.

Trump ainda é um pouco mais popular nos Estados decisivos do que Biden no âmbito nacional, em parte graças ao apelo a eleitores brancos da classe trabalhadora.

Ainda assim, o número de eleitores registrados que desaprovam Trump superam numericamente os que o aprovam em todos os três estados, segundo a Ipsos. Em Wisconsin, 47% aprovam o presidente, enquanto 53% desaprovam. Na Pensilvânia, 48% aprovam e 52% desaprovam, e no Michigan, 44% aprovam e 56% desaprovam.

Reportagem de Chris Kahn

for-phone-onlyfor-tablet-portrait-upfor-tablet-landscape-upfor-desktop-upfor-wide-desktop-up