April 27, 2020 / 1:07 PM / 2 months ago

Frágil governo de coalizão da Espanha é testado pela pandemia de Covid-19

MADRI (Reuters) - O governo socialista da Espanha marcou seus primeiros 100 dias no poder ao aprovar um decreto de emergência com a ajuda de seu antigo adversário, o conservador Partido Popular.

Premiê da Espanha, Pedro Sánchez, no Parlamento em Madri 15/04/2020 Ballesteros/Pool via REUTERS

Mas essa rara demonstração de unidade apenas mascarou problemas mais profundos, já que a crise desencadeada pelo novo coronavírus interrompeu a lua de mel da coalizão e provocou uma oposição agressiva ao plano mestre de reconstrução nacional proposto pelo primeiro-ministro do país, Pedro Sánchez.

“Você pretende ficar como Nero, tocando violino enquanto Roma queima?”, provocou o líder do Partido Popular, Pablo Casado, mesmo depois de apoiar o estado de extensão de emergência.

“Não desista, Sr. Sánchez. Antes de falar sobre reconstrução, devemos evitar a destruição”, acrescentou, opondo-se à conversa do premiê sobre um “pacto” nacional de recuperação econômica semelhante a um ocorrido no final dos anos 1970, após o regime do ditador Francisco Franco.

Após quatro eleições inconclusivas em quatro anos, Sánchez formou em janeiro o primeiro governo de coalizão em décadas da Espanha junto ao Unidas Podemos, de esquerda, outro ex-rival do Partido Socialista, após delicadas negociações.

Embora as tensões entre o separatismo catalão e as reformas trabalhistas se aproximassem, a coalizão teve um começo relativamente tranquilo, para alívio dos investidores na quarta maior economia da União Europeia.

Então veio a Covid-19.

A Espanha teve um dos piores surtos do mundo, com mais de 22.500 mortes. A crise destruiu sua economia, esvaziando hotéis e praias, deixando colheitas nos campos devido à falta de trabalhadores estrangeiros e uma previsão de contração de 8%.

Embora tenha havido solidariedade em torno do bloqueio em vigor desde 14 de março, agora que o pico de infecção passou e a atenção está voltada para a redução de restrições e recuperação econômica, Sánchez está se esforçando para encontrar o amplo apoio de que precisa.

Há semanas, o premiê pede unidade e reconstrução na Europa e na Espanha—mas parece ter tido mais sucesso no exterior, onde Madri ajudou nesta semana a levar os líderes da UE a concordar com um fundo de emergência de 1 trilhão de euros.

“Vemos o pacto na Europa para reconstrução avançando. Talvez seja hora de avançar também na Espanha”, disse a ministra das Relações Exteriores, Arancha González Laya.

No entanto, até agora, entre as forças conservadoras da oposição, apenas os 10 parlamentares do partido Ciudadanos disseram que apoiariam o pacto de Sánchez, enquanto outros estagnaram a questão em um comitê do Congresso.

Reportagem adicional de Crispian Balmer em Roma e Michel Rose em Paris

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below