for-phone-onlyfor-tablet-portrait-upfor-tablet-landscape-upfor-desktop-upfor-wide-desktop-up

Casos de coronavírus na Índia escalam para 30 mil; Mesquitas no Paquistão preocupam

Pessoas com máscara de proteção contra coronavírus caminham pelas ruas de Nova Délhi, Índia 15/04/2020 REUTERS/Adnan Abidi

NOVA DÉLHI/ISLAMABAD (Reuters) - A Índia se aproximava dos 30 mil casos de coronavírus nesta terça-feira, atrás apenas da China na Ásia, representando um aumento constante que dificultaria a suspensão de um lockdown que já dura quase seis semanas e termina no próximo final de semana, disseram autoridades de Saúde e líderes governamentais.

O vizinho Paquistão também registrou um salto em casos e em mortes por Covid-19, a doença respiratória causada pelo vírus, e há temores de que muitas pessoas ainda se reúnam em mesquitas para as preces do Ramadã apesar das rígidas regras de distanciamento.

O governo do primeiro-ministro da Índia, Narendra Modi, permitiu que algumas atividades agrícolas e industriais sejam retomadas em áreas rurais menos afetadas após o fechamento da economia que deixou milhões sem trabalho, alimentos e moradia.

Mas com cerca de 1.500 novos casos por dia em média na última semana, o governo está recebendo pedidos para não aliviar mais as medidas e em vez disso manter em vigor o maior fechamento em massa do mundo para além do dia 3 de maio, mesmo com a crise econômica se aprofundando.

“A Índia ainda está na curva ascendente da curva epidêmica, e então aliviar as restrições significa que os casos irão se multiplicar de maneira descontrolada”, disse o dr. S.K. Sarin, que lidera um grupo do governo que está lidando com a epidemia na capital, Nova Délhi, um dos pontos mais críticos do país.

for-phone-onlyfor-tablet-portrait-upfor-tablet-landscape-upfor-desktop-upfor-wide-desktop-up