for-phone-onlyfor-tablet-portrait-upfor-tablet-landscape-upfor-desktop-upfor-wide-desktop-up

Chicago proíbe bares e casos de Covid-19 disparam na Flórida conforme pandemia avança nos EUA

Paramédico sai de ambulância em frente a hospital de St. Petersburg, na Flórida 15/05/2020 REUTERS/Octavio Jones

(Reuters) - A cidade norte-americana de Chicago restabeleceu restrições por conta do coronavírus nesta segunda-feira, e o Estado da Flórida reportou mais de 10 mil novos casos pelo sexto dia consecutivo, enquanto a pandemia avança pelos Estados Unidos.

Em um raro indicador de esperança, o Estado de Nova York reportou o menor número de hospitalizações pelo coronavírus em quatro meses e a cidade de Nova York iniciou uma nova fase da reabertura nesta segunda-feira. Mas o progresso, na mesma cidade e Estado que já foram o epicentro da crise, foi eclipsado pelas notícias sombrias em praticamente todos os outros cantos do país.

O Estado de Nova York registrou apenas oito mortes no domingo, enquanto o número total de pessoas hospitalizadas pela doença caiu para 716, o menor desde 18 de março, afirmou o governador Andrew Cuomo.

Mas os números do país como um todo pioraram. Trinta e dois Estados reportaram aumentos recordes em casos de Covid-19 em julho, enquanto 15 Estados informaram aumentos recordes de óbitos. Mortes, hospitalizações e taxas de testes positivos continuam a escalar, com pelo menos 15 Estados reportando recordes de hospitalizações até agora em julho, de acordo com uma contagem da Reuters.

O vírus matou 140 mil pessoas nos Estados Unidos e infectou cerca de 3,7 milhões, ambos os números lideram o cenário mundial.

A Flórida registrou 10.347 novos casos na segunda-feira. Outras 92 pessoas morreram no Estado, aumentando o número de mortos para 5.183.

for-phone-onlyfor-tablet-portrait-upfor-tablet-landscape-upfor-desktop-upfor-wide-desktop-up