for-phone-onlyfor-tablet-portrait-upfor-tablet-landscape-upfor-desktop-upfor-wide-desktop-up

Equador diz que embarcações chinesas perto de Galápagos interromperam comunicações

Autoridades do Equador concedem entrevista coletiva sobre navios pesqueiros chineses perto de Galápagos 18/08/2020 REUTERS/Segundo Mendez

GUAYAQUIL, Equador (Reuters) - As Forças Armadas do Equador disseram que dezenas de embarcações de uma frota pesqueira predominantemente chinesa perto das Ilhas Galápagos desligou sistemas de rastreamento para evitar o monitoramento de suas atividades.

Dos cerca de 325 navios ainda pescando nas águas próximas do arquipélago ecologicamente sensível, 149 interromperam as comunicações em algum momento nos últimos meses, disse o comandante da Marinha, contra-almirante Darwin Jarrín, a repórteres, na terça-feira.

Alguns também mudaram de nome para evitar a supervisão, disse.

“Neste período, 149 navios desligaram seus sistemas de satélites... sabemos os nomes dos navios”, disse Jarrín durante uma coletiva de imprensa, sem querer identificar as embarcações.

A queixa surge no momento em que a nação sul-americana está tentando impedir a pesca predatória em seu litoral, ao mesmo tempo em que evita um confronto com a China, sua maior financiadora e um grande mercado para seu negócio de exportação de camarão.

Um representante da embaixada chinesa não quis comentar.

O Equador diz que a frota não entrou em suas águas territoriais, mas ambientalistas dizem que este tipo de pesca permite às embarcações explorar a vida marítima abundante que viaja nas águas entre Galápagos e o território continental.

“É uma violação (de protocolo) em mar aberto, porque eles não querem que saibamos o que estão fazendo e as atividades que realizam”, disse o ministro da Defesa, Oswaldo Jarrín.

for-phone-onlyfor-tablet-portrait-upfor-tablet-landscape-upfor-desktop-upfor-wide-desktop-up