for-phone-onlyfor-tablet-portrait-upfor-tablet-landscape-upfor-desktop-upfor-wide-desktop-up

Reino Unido verá taxa de mortes por Covid-19 disparar se não agir rápido, alertam médicos

LONDRES (Reuters) - O Reino Unido enfrentará um crescimento exponencial da taxa de mortalidade decorrente da Covid-19 dentro de semanas a menos que o governo do primeiro-ministro, Boris Johnson, reaja com urgência para deter uma segunda onda do surto que se dissemina rapidamente, alertaram os médicos mais graduados do país nesta segunda-feira.

Moradores de Londres caminham pela cidade 21/09/2020 REUTERS/Hannah McKay

O Reino Unido já tem o maior número oficial de mortes de Covid-19 da Europa --e o quinto maior do mundo-- enquanto faz empréstimos recordes na tentativa de injetar fundos de emergência na economia combalida.

Mas os casos novos da doença estão aumentando em ao menos seis mil por dia no país, de acordo com dados de uma semana, as internações estão dobrando a cada oito dias e o sistema de exames não dá conta da procura.

Chris Whitty, a principal autoridade médica do governo, e Patrick Vallance, seu principal conselheiro científico, alertaram que, se não for contida, a epidemia britânica chegará a 50 mil casos novos por dia até meados de outubro.

“Se isto continuar por esse rumo... o número de mortes diretas da Covid ... continuará a aumentar, possivelmente em uma curva exponencial, que significa dobrar e dobrar e dobrar novamente, e se pode ir rapidamente de números realmente bem pequenos para números realmente muito grandes”, disse Whitty.

“Se não fizermos o suficiente, o vírus decolará, e neste momento está claro que é este o rumo no qual estamos, e se não mudarmos de direção nos veremos com um problema muito difícil.”

O vírus está se disseminando em todas as áreas do país, e menos de 8% da população têm anticorpos para o vírus, embora em Londres cerca de 17% da população possa ter anticorpos, disse Vallance.

Velocidade e ação são necessárias com urgência, disseram Vallance e Whitty, acrescentando que, como o inverno se aproxima, o problema da Covid assombrará o Reino Unido durante ao menos mais seis meses.

Johnson deve se pronunciar na terça-feira.

O secretário da Saúde, Matt Hancock, disse que as restrições serão diferentes em relação à última vez. O governo quer reprimir a socialização, mas as escolas e muitos locais de trabalho permanecerão abertos.

“Se realmente temos que agir, será diferente da última vez, e aprendemos muita coisa sobre como combater o vírus”, disse ele à ITV.

Indagado sobre o Natal e se as pessoas poderão abraçar seus familiares, ele disse que quer que a ocasião seja a mais normal possível.

“Se isto sair de controle agora, teremos que adotar medidas mais duras no futuro.”

O número oficial de mortes do Reino Unido está em 41.777 pessoas.

(Por Guy Faulconbridge, Kate Holton e Estelle Shirbon)

Tradução Redação São Paulo, 5511 56447759 REUTERS ES

for-phone-onlyfor-tablet-portrait-upfor-tablet-landscape-upfor-desktop-upfor-wide-desktop-up